Em formação

Onde posso encontrar versões interativas online de experimentos clássicos em psicologia para fins de ensino?

Onde posso encontrar versões interativas online de experimentos clássicos em psicologia para fins de ensino?



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Freqüentemente, é útil e divertido para os alunos vivenciar experimentos psicológicos bem conhecidos. Onde as versões de demonstração de experimentos psicológicos famosos podem ser encontradas online?

Alguns exemplos de paradigmas que podem ser úteis incluem:


Lista apresentada em ordem alfabética

Cambridge Brain Sciences (cambridgebrainsciences.com)

Vários experimentos do tipo "treinamento cerebral", incluindo tarefas de amplitude, rotação mental e memória associada em pares. Alguns testes exigem registro gratuito no site para serem concluídos. Os dados dos testes podem ser usados ​​para fins de pesquisa. Criado por Adam Hampshire e Adrian Owen na University of Western Ontario.

Diversão cognitiva! (cognitivefun.net)

Várias variantes n-back, testes de tempo de resposta básicos (por exemplo, ir / não ir), demonstração de subitizing, tarefa de flanker, extensão de memória de trabalho. Criador / fonte confusa.

Dual-Task (dualtask.org)

Demonstrações de limitações multitarefas. Os experimentos são miniaplicativos Java. Site criado por Hal Pashler na UCSD.

Go Cognitive (gocognitive.net)

Vários experimentos cognitivos, incluindo cegueira para mudanças, busca visual, teste de memória implícita, capacidade de memória operacional e atenção seletiva. As experiências são baseadas em Flash. Site criado por equipe da University of Idaho.

Projeto implícito (https://implicit.harvard.edu/implicit/takeatest.html)

Muitas variações no teste de associação implícita. Os dados são coletados para fins de pesquisa. Criado pela equipe da Universidade de Harvard.

Simons Lab (simonslab.com)

Vários vídeos de estudos clássicos de atenção seletiva / cegueira desatencional, incluindo o famoso estudo do gorila. Os alunos podem fazer o estudo do gorila assistindo a um vídeo no YouTube. Os vídeos de outros experimentos são mais descritivos e menos interativos. Site criado por Daniel Simons da University of Illinois.

Stroop demos

  • http://ezyang.com/stroop/ - apresentação sequencial de palavras, pressione a tecla para responder.
  • https://faculty.washington.edu/chudler/java/ready.html - apresentação simultânea de toda a lista. leia em voz alta e aperte o botão para indicar que a leitura foi concluída.
  • http://www.math.unt.edu/~tam/selftests/stroopeffects.html - apresentação simultânea de toda a lista. leia em voz alta e aperte o botão para indicar que a leitura foi concluída.

Demonstrações de psicologia cognitiva de Swarthmore (http://cogscidemos.swarthmore.edu/)

Três experimentos: pesquisa visual, tarefa de memória de trabalho de Sternberg e Stroop reverso. Implementado em JavaScript. Alguns parâmetros de tentativas podem ser ajustados. Os dados são bem resumidos no final do experimento, por exemplo, as funções de pesquisa são adequadas para a tarefa de pesquisa visual. Criado em Swarthmore sob a direção de Frank Durgin.


Inquisit é uma ferramenta para realizar experimentos psicológicos online. Possui uma enorme biblioteca de tarefas.

Uma rápida olhada diz que eles têm:

  • 6 tarefas stroop diferentes. Por exemplo, http://www.millisecond.com/download/library/Stroop/FoodStroop/
  • N-back http://www.millisecond.com/download/library/NBack/
  • Muitos exemplos de IAT: http://www.millisecond.com/download/library/IAT/AgeIAT/
  • Tarefa de pesquisa visual de 2009 de Becker: http://www.millisecond.com/download/library/VisualSearch/

O plug-in para executar experimentos é gratuito e você pode executar os experimentos online apenas com o plug-in.

Se você tiver uma licença de desktop, poderá baixar e personalizar os scripts. Se você tiver uma licença da web, poderá postar seus scripts modificados online e coletar dados.


Venho desenvolvendo stato.de, uma plataforma online para executar experimentos HTML5 / Javascript, recrutar participantes via e-mail, Facebook ou Twitter, e coletar e avaliar resultados em tempo real em qualquer navegador da web.

Consulte Rotação mental para ver uma demonstração que funciona em telefones, tablets e desktops; não requer inscrição.


Design experimental

O projeto experimental refere-se a como os participantes são alocados aos diferentes grupos em um experimento. Os tipos de projeto incluem medidas repetidas, grupos independentes e projetos de pares correspondentes.

Provavelmente, a maneira mais comum de projetar um experimento em psicologia é dividir os participantes em dois grupos, o grupo experimental e o grupo de controle, e então introduzir uma mudança no grupo experimental e não no grupo de controle.

O pesquisador deve decidir como alocará sua amostra aos diferentes grupos experimentais. Por exemplo, se houver 10 participantes, todos os 10 participantes farão parte de ambos os grupos (por exemplo, medidas repetidas) ou os participantes serão divididos ao meio e farão parte de apenas um grupo cada?

Três tipos de projetos experimentais são comumente usados:

Tecnologia

Esta é provavelmente a área onde a maioria dos idosos precisa de algum tipo de treinamento ou assistência.

Há tantos aplicativos e plataformas novos sendo introduzidos que é difícil para qualquer pessoa acompanhar.

Techboomers.com oferece mais de 100 aulas gratuitas sobre tecnologia.

Uma simples pesquisa de “habilidades básicas de informática” mostra 72 páginas de aulas para quase todos os interesses e níveis de habilidade. Aqui estão alguns exemplos do que eles têm a oferecer:

2. Como salvar um GIF no seu computador

Da próxima vez que você vir aquele GIF engraçado de gato, poderá salvá-lo para mostrar aos netos.

3. O que é software antivírus e como funciona?

Saiba mais sobre malware e vírus e como você pode proteger seu computador e arquivos pessoais.

4. Como transferir fotos e vídeos do iPhone para o PC com Windows

Libere espaço em seu smartphone para que você possa tirar mais fotos e gravar vídeos dos netos.

Não se preocupe, eles também têm aulas para usuários de Android e Mac.

A maioria dos cursos são fáceis de seguir.

Conforme você os rola e os lê, eles contêm links para levá-lo aonde você precisa ir em uma etapa apropriada do curso.

Com a dependência atual da tecnologia para se comunicar, às vezes pode ser difícil fazer com que os membros mais jovens da família se envolvam.

Se você tem uma atitude “se você não pode vencê-los, junte-se a eles”, você pode começar seu próprio blog como uma forma de mantê-los conectados.

5. Passo a passo para blogueiros iniciantes

Este curso oferecido pela SkillShare divide o processo em 14 vídeos curtos.

É um processo literal passo a passo que mostra exatamente onde clicar e o que digitar.

Você estará pronto e escrevendo sua primeira postagem em apenas algumas horas.

Quer mais informações sobre blogs? Também elaboramos este guia detalhado sobre como iniciar um blog lucrativo para iniciantes.


Recursos: lições sobre memória reconstrutiva

Aqui estão alguns recursos para ensinar memória reconstrutiva. Existem alguns planos de aula, três apresentações de slides, um para a teoria, um para uma atividade quebra-cabeças e um sobre avaliação e redação. Há também um questionário em papel associado, um cenário de aplicação, os materiais do quebra-cabeça e um questionário socrativo sobre memória reconstrutiva.

Compartilhar isso:

Assim:


Clássicos da História da Psicologia

Abbott, Albert H. (1900). Psicologia experimental e o laboratório em Toronto. Universidade de Toronto Por mês , 1, 85-98, 106-112. [Uma defesa da viabilidade da psicologia experimental contra seus oponentes do século 19, seguida pela descrição do laboratório expandido de Toronto, estabelecido pela primeira vez por J.M. Baldwin em 1891.]

Allport, Floyd H. & amp Allport, Gordon W. (1921). Traços de personalidade: sua classificação e medição. Journal of Abnormal and Social Psychology, 16, 6-40.

Allport, Gordon W. (1927). Conceitos de traço e personalidade. Boletim Psicológico, 24, 284-293.

Allport, Gordon W. (1937). A autonomia funcional dos motivos. American Journal of Psychology, 50, 141-156.

Allport, Gordon W. (1940). O quadro de referência do psicólogo. Boletim Psicológico, 37, 1-28. [Discurso presidencial da APA de Allport.]

Associação Americana de Psicologia . (1947). Programa de treinamento de pós-graduação recomendado em psicologia clínica. Psicólogo americano, 2, 539-558. [O relatório que propôs o chamado & quotModelo de Boulder & quot.]

Angell, James Rowland . (1907). A província da psicologia funcional. Revisão Psicológica, 14, 61-91. [Declaração básica do & quot funcionalismo de Chicago & quot no início do século 20.]

Aristóteles . (cerca de 350 aC). De anima (J. A. Smith, Trans.). Originalmente publicado em Ross, W. D. (Ed.) (1930). As obras de Aristóteles (vol. 3). Oxford: Clarendon Press. [& quotO filósofo & quot principal obra psicológica. O livro I é principalmente uma crítica ao que aconteceu antes. O Livro II enfoca a percepção. O Livro III é principalmente sobre o intelecto.]

Aristóteles . (cerca de 350 aC). Sobre memória e reminiscência (J. I. Beare, Trans.).
Originalmente publicado em Ross, W. D. (Ed.) (1930). As obras de Aristóteles (vol. 3). Oxford: Clarendon Press. [Um pequeno trabalho, parte do Parva Naturalia, que segue de De anima.]

Baldwin, James Mark (1892). O laboratório psicológico da Universidade de Toronto. Ciência, 19 (no. 475), 143-144. [A primeira descrição publicada do primeiro laboratório experimental de psicologia no Império Britânico.]

Baldwin, James Mark . (1895). Tipos de reação. Revisão Psicológica, 2, 259-273. [Resposta de Baldwin a Titichener, 1895a.]

Baldwin, James Mark . (1896). A 'teoria dos tipos' de reação. Mente, 5, 81-90. [Resposta de Baldwin a Titchener, 1895b]

Baldwin, James Mark . (1901). Dicionário de filosofia e psicologia. Publicado originalmente em Nova York e Londres pela MacMillan. [em construção, somente A-O]

Baldwin, James Mark . (1913). História da psicologia: um esboço e uma interpretação. Londres: Watts. [Um dos livros-texto de psicologia pré-entediante mais influentes.]

Baldwin, James Mark . (1930). Autobiografia de James Mark Baldwin. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 1-30). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande desenvolvimentista da obra de sua vida.]

Baldwin, James Mark, Cattell, James McKeen e Jastrow, Joseph. (1898). Testes físicos e mentais. Revisão Psicológica, 5, 172-179. [Um relato de uma tentativa inicial do que agora chamaríamos de teste de inteligência.]

Bandura, Albert, Ross, Dorothea e Ross, Sheila A. (1961). Transmissão de agressões por meio da imitação de modelos agressivos. Journal of Abnormal and Social Psychology, 63, 575-582. [Um dos estudos clássicos de & quotBobo Doll & quot da imitação de comportamento agressivo por crianças.]

Bateson, G. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Berkeley, George . (1732). Um ensaio para uma nova teoria da visão (4ª ed.). (Primeira edição publicada em 1709) [Do mais puro dos empiristas britânicos.]

Binet, Alfred . (1916). Novos métodos para o diagnóstico do nível intelectual de subnormais. Em E. S. Kite (Trans.), O desenvolvimento da inteligência em crianças. Vineland, NJ: Publicações da Escola de Treinamento em Vineland. (Originalmente publicado em 1905 em L'Ann e Psychologique, 12, 191-244.) [Descrição da abordagem de Binet nos testes de inteligência e da versão original do mais influente de todos os testes de inteligência.]

  • Introdução a Binet (1905/1916) de Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton

Chato, Edwin G. (1929). A psicologia da controvérsia. Revisão Psicológica, 36, 97-121. [Discurso presidencial da APA de Boring em 1928 sobre a controvérsia passada em psicologia.]

Chato, Edwin G. (1951). O problema da mulher. Psicólogo americano, 6, 679-682.

Bowen, Francis. (1860). Observações sobre a última forma da teoria do desenvolvimento. Memórias da Academia Americana de Artes e Ciências, n.s., VIII, pp. 98-107, comunicado em 27 de março, 10 de abril e 1º de maio de 1860. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 66-74.

Breland, Keller & amp Breland, Marian . (1961). O mau comportamento dos organismos. Psicólogo americano, 16, 681-684. [Crítica clássica das suposições subjacentes ao behaviorismo radical.]

Brett, George S. (1922). Psicologia na universidade. Universidade de Toronto Por mês , , 298-300.

Brett, George S. (1929). Introdução à Psicologia. Toronto: Macmillan do Canadá. [Um pequeno livro do famoso historiador da psicologia.]

Broca Paul (1861a). Perte de la parole, ramollissement crónica e destruição partielle du lobe ant rieur gauche du cerveau Bulletin de la Soci t Anthropologique, 2, 235-238. [O relato inicial do famoso paciente de Broca, & quotTan, & quot e a localização da fala no lobo frontal esquerdo.]

Broca Paul (1861b). Remarques sur le si ge de la facult du langage articul , suivies d'une observação d'aph mie (perte de la parole) Bulletin de la Soci t Anatomique, 6, 330-357. [O relatório completo sobre o estado do cérebro de & quot de Tan & quot; e o argumento de Broca para a faculdade da linguagem falada sendo localizada no lobo frontal esquerdo.]

Bruner, Jerome S. & amp Goodman, Cecile C. (1947). Valor e necessidade como fatores organizadores da percepção. Journal of Abnormal and Social Psychology, 42, 33-44. [Famoso estudo & quotNew Look & quot em que crianças pobres superestimam o tamanho das moedas.]

Bruner, Jerome S. & amp Postman, Leo . (1949). Sobre a percepção da incongruência: um paradigma. Jornal da Personalidade, 18, 206-223. [Famoso estudo & quotNew Look & quot, no qual corações pretos em cartas de jogar eram vistos como vermelhos.]

Buchner, Edward Franklin . (1903). Um quarto de século de psicologia na América: 1878-1903. American Journal of Psychology, 14, 666-680.

Caldwell , C. (1898). A visão do professor Titchener sobre o self. Revisão Psicológica , 5, 401-408. [O comentário que aparentemente provocou Titchener a distinguir entre estruturalismo e funcionalismo.]

Caldwell , C. (1899). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Psicológica, 6, 187-191. [Responder a Titchener 1898.]

Calkins, Mary Whiton . (1892). Psicologia Experimental no Wellesley College. American Journal of Psychology, 5, 464-271.

Calkins, Mary Whiton . (1896a). Associação: Um ensaio analítico e experimental. Suplemento de monografias de revisão psicológica, 1 (2) [A origem do procedimento de aprendizagem dos pares associados pela primeira mulher Presidente da APA.]

Calkins, Mary Whiton . (1896b). Comunidade de ideias de homens e mulheres. Revisão Psicológica, 3, 426-430. [Responder a Jastrow (1896).]

Calkins, Mary Whiton . (1906). Uma reconciliação entre psicologia estrutural e funcional. Revisão Psicológica, 8, 61-81. [Discurso presidencial da APA de Calkins.]

Calkins, Mary Whiton (1908a). A psicologia como ciência do self. I: O self é corpo Ou tem corpo? Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 5, 12-20.

Calkins, Mary Whiton (1908b). A psicologia como ciência do self. II: A natureza do self. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 5, 64-68.

Calkins, Mary Whiton (1908c). A psicologia como ciência do self. III: A Descrição da Consciência. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 5, 113-122.

Calkins, Mary Whiton . (1915). O self em psicologia científica. American Journal of Psychology, 26, 495-524.

Calkins, Mary Whiton . (1930). Autobiografia de Mary Whiton Calkins. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 31-62). Worcester, MA: Clark University Press. [O resumo da primeira mulher Presidente da APA sobre o trabalho de sua vida.]

Carlsmith, James M. [Ver Festinger & amp Carlsmith (1959).]

Cattell, James McKeen. (1886b). O tempo gasto pelas operações cerebrais, Parte 3. Mente, 11, 377-392.

Cattell, James McKeen. (1887). O tempo gasto pelas operações cerebrais, Parte 4. Mente, 11, 524-538.

Cattell, James McKeen. (1888). O laboratório psicológico em Leipsic. Mente, 13, 37-51. [Relatório em inglês sobre as atividades no laboratório de Wundt durante a década de 1880 por alguém que estava lá.]

Cattell, James McKeen. (1890). Testes e medições mentais. Mente, 15, 373-381. [Um relato de uma das primeiras tentativas do que agora chamaríamos de teste de inteligência.]

Cattell, James McKeen. (1893/1947). Atenção e reação (R. S. Woodworth, Trans.). No James McKeen Cattell, homem da ciência (Vol. 1: Psychological Research, pp. 252-255, R. S. Woodworth, Trans.). Lancaster, PA: The Science Press, 1947. (Originalmente publicado como & quotAufmerksamkeit und Reaction & quot em Philosophische Studien, 8. 403-406. [Põe em questão os resultados da reação sensorial / muscular de L. Lange, estabelecendo as bases do funcionalismo - ver artigos de Titchener e Baldwin de 1895-96.]

Cattell, James McKeen. (1898). O laboratório psicológico. Revisão Psicológica, 5, 655-658. [Uma resposta a Titchener, 1898.]

Cattell, James McKeen . (1928). Primeiros laboratórios psicológicos. Ciência, 67, 543- 548.

Cattell, James McKeen . [Ver também Baldwin, Cattell & amp Jastrow (1898).]

Clark, Kenneth B. & amp Clark, Mamie K. (1939). O desenvolvimento da consciência de si e o surgimento da identificação racial em crianças negras pré-escolares. Journal of Social Psychology, S.P.S.S.I. Boletim, 10, 591-599. [Um dos primeiros estudos em psicologia racial, por dois dos primeiros grandes psicólogos afro-americanos.]

Clark, Kenneth B. & amp Clark, Mamie K. (1940). Cor da pele como fator de identificação racial de pré-escolares negros. Journal of Social Psychology, S.P.S.S.I. Boletim, 11, 159-169. [Um dos primeiros estudos em psicologia racial, por dois dos primeiros grandes psicólogos afro-americanos.]

Clark, Mamie K. [Veja K.B. Clark & ​​amp M.K. Clark (1939,1940).]

Creighton, J. E. (1902). Os objetivos de uma associação filosófica. Revisão Filosófica, 11, 219-237.[Discurso presidencial inaugural da American Philosophical Association.]

Cronbach, Lee J. (1957). As duas disciplinas de psicologia científica. Psicólogo americano, 12, 671-684. [Famosa tentativa de reconciliar os objetivos da psicologia experimental e correlacional.]

Cronbach, Lee J. e Meehl, Paul E. (1955). Validade da construção em testes psicológicos. Boletim Psicológico, 52, 281-302. [A origem do termo & quotvalidez de construção & quot]

Darwin, Charles . (1874). A descida do homem. Parte Um: Descida ou Origem do Homem (cap. 1-7). (2ª ed.). Originalmente publicado em Londres por J. Murray. [O argumento de Darwin de que os humanos descendem dos macacos.]

Darwin, Charles . (1877). Um esboço biográfico de uma criança. Mente, 2, 285-294. [Visão evolutiva inicial do desenvolvimento infantil.]

De Varigny, M. Henry . (1894). Le laboratoire de psychologie exp rimentale de l'Universit de Madison. Revue Scientifique, vol. 1, tomo 1, 624-629. [O relatório contemporâneo mais detalhado da exposição de psicologia de Jastrow na Exposição Mundial colombiana de 1893 em Chicago.]

Dewey, John . (1884). A nova psicologia. E acabou Análise , 2, 278-289. [Possivelmente o primeiro uso da frase & quotnova psicologia & quot.]

Dewey, John . (1894). O ego como causa. Revisão Filosófica, 3, 337-341.

Dewey, John . (1896) O conceito de arco reflexo em psicologia. Revisão Psicológica, 3, 357-370. [O artigo que definiu o conceito moderno de reflexo.]

Dodson, John D. [Ver Yerkes e Dodson (1908).]

Dunlap, Knight . (1912). O caso contra a introspecção. Revisão Psicológica, 19, 404-413.

Ebbinghaus, Hermann. (1913). Memória: uma contribuição para a psicologia experimental (Henry A. Ruger e Clara E. Bussenius, Trans.). Originalmente publicado em Nova York pelo Teachers College, Columbia University. (Trabalho original alemão ber das Ged chtnis publicado em 1885). [O trabalho mais importante sobre memória no século 19 originou o uso de sílabas sem sentido.]

Eysenck, Hans J. (1952). Os efeitos da psicoterapia: uma avaliação. Journal of Consulting Psychology, 16, 319-324. [Crítica empírica clássica da eficácia da psicoterapia.]

Fechner, Gustav Theodor (1860). Elementos de psicofísica, Seções VII ("Medição da sensação") e XVI ("A fórmula fundamental e a fórmula de medição") (Trans. Por Herbert S. Langfeld, aparecendo pela primeira vez em B. Rand (Ed.) (1912), Os psicólogos clássicos) [O documento que deu origem à & quotLei de Techner & quot.]

Fernberger, Samuel W. (1943). The American Psychological Association 1892-1942. Revisão Psicológica, 50, 33-60.

Festinger , Leon & amp Carlsmith, James M. (1959). Consequências cognitivas da conformidade forçada. Journal of Abnormal and Social Psychology, 58, 203-210. [Famosa confirmação empírica da teoria da Dissonância Cognitiva, na qual os sujeitos relataram gostar de tarefas chatas mais se eles foram pagos menos.]

Fisher, Ronald A. (1925). Métodos estatísticos para pesquisadores. Publicado originalmente em Londres por Oliver e Boyd. [Contém a primeira apresentação de livro-texto de Análise de Variância.]

Fiske, John . (1902). O serviço de Herbert Spencer à religião. Ensaios históricos e literários, Nova york , II, pp. 232-237. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 106-110.

Franz, Shepherd Ivory . (1912). Nova frenologia. Ciência, N.S. 35 (No. 896), 321-328. [Crítica importante da hipótese da localização da função cerebral.]

Freud, Sigmund . (1913). A interpretação dos sonhos (3ª ed.). (A. A. Brill, Trans.). Originalmente publicado em Nova York pela Macmillan. (Trabalho original alemão publicado em 1900.) [O clássico trabalho psicanalítico sobre os sonhos.]

Freud, Sigmund (1914). A psicopatologia da vida cotidiana. (A. A. Brill, Trans.). Originalmente publicado em Londres por T. Fisher Unwin. (Trabalho original alemão publicado em 1901.) [O relato psicanalítico clássico do significado subjacente de lapsos de língua, nomes esquecidos, etc.]

Freud, Sigmund . (1910). A origem e o desenvolvimento da psicanálise. American Journal of Psychology, 21, 181-218. [Palestras de Freud na Clark University, a introdução da psicanálise na América do Norte.]

Freud, Sigmund . (1917). A história do movimento psicanalítico (A. A. Brill, Trans.). Originalmente publicado em Nova York pelo Nervous and Mental Disease Pub. Co. (Trabalho original alemão publicado em 1914.) [O próprio relato de Freud sobre o desenvolvimento das instituições da psicanálise e de suas divisões com Adler e com Jung.]

Fullerton , Hugh S. (1921). Por que Babe Ruth é o maior rebatedor de home run. Popular Science Monthly, 99 (4), 19-21, 110. [Artigo popular sobre Babe Ruth trabalhando no laboratório de psicologia da Universidade de Columbia.]

Galton, Francis . (1875). História de gêmeos. Docente Humano e seu Desenvolvimento (pp. 155-173). [O estudo psicológico original dos gêmeos.]

Galton, Francis . (1880). Estatísticas de imagens mentais. Mente, 5, 301-318.

Garvey, C. R. (1929). Lista de laboratórios de psicologia americanos. Boletim Psicológico, 26, 652-660.

Goddard, Henry Herbert . (1913). A família Kallikak: um estudo sobre a hereditariedade da fraqueza mental. [Uma grande influência no movimento de eugenia do início do século XX.]

Goodman, Cecile C. [Ver Bruner & amp Goodman (1947).]

Gordon, Kate . (1905). Em que a educação de uma mulher deve ser diferente da de um homem. Avaliação escolar, 13, 789-794. [Crítica contemporânea de G.S. Hall's Adolescência

Gray, Asa. (1860). [Revisão de] A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural. American Journal of Science and Arts (Marchar). Reimpresso em 1876 em Darwiniana: Ensaios e Resenhas Pertencentes ao Darwinismo. [Uma revisão do professor de história natural de Harvard e o maior defensor de Darwin na América do Norte.]

Griffith, Coleman R. (1921). Alguns aspectos negligenciados de uma história da psicologia. Monografias psicológicas, 30, 17-29. [Uma chamada para uma história de experimental psicologia do reconhecido fundador da psicologia do esporte.]

Griffith, Coleman R. (1922). Contribuições para a história da psicologia - 1916-1921. Boletim Psicológico, 19, 411-428. [Um relatório sobre o estado da arte na história da psicologia até o final da Primeira Guerra Mundial]

Guthrie, Edwin R. (1946). Fatos psicológicos e teoria psicológica. Boletim Psicológico, 43, 1-20. [Endereço presidencial da APA de Guthrie.]

Hall, G. Stanley . (1879). Filosofia nos Estados Unidos. Mente, 4, 89-105. [Crítica contundente de Hall ao estado da filosofia americana na década de 1870].

Hall, G. Stanley . (1885). A nova psicologia. E acabou Análise , 3, 120-135, 239-248.

Hall, G. Stanley . (1904). Meninas adolescentes e sua educação. A partir de Adolescência: sua psicologia e suas relações com a fisiologia, antropologia, sociologia, sexo, crime, religião e educação (Vol. 2, Capítulo 17).

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685. [Discurso presidencial de Harlow na APA sobre sua pesquisa sobre a importância do conforto de contato em bebês macacos.]

Harlow, Harry F. (1962). Princípios fundamentais para a preparação de artigos de periódicos de psicologia. Journal of Comparative and Physiological Psychology, 55, 893-896.

Hartmann, G. W. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Harvey, O. J. [Ver M. Sherif et al. (1954/1961).]

Hebb, Donald O. (1955). Drives e o C.N.S. (sistema nervoso conceitual). Revisão Psicológica, 62, 243-254. [Declaração importante da teoria do nível ótimo de função.]

Heider, Fritz . (1946). Atitudes e organização cognitiva. Journal of Psychology, 21, 107-112. [Artigo famoso sobre Teoria do Equilíbrio.]

Herbart, J. F. (1877). Possibilidade e necessidade de aplicação da matemática na psicologia (H. Haanel, Trans.). Journal of Speculative Philosophy, 11, 251-264.

Hill, A. B. & amp Watanabe, R. (1894). Reações "sensoriais" e "musculares". American Journal of Psychology, 6, 242-246. [Supervisionado por E. B. Titchener, em apoio às descobertas de L. Lange.]

Hollingworth, Leta S. (1914b). Variabilidade em relação às diferenças de sexo na realização: uma crítica. American Journal of Sociology, 19, 510-530.

Hollingworth, Leta S. (1916). Dispositivos sociais para impulsionar as mulheres a ter e criar filhos. American Journal of Sociology, 22, 19-29. [Argumenta que o controle social é mais importante que o "instinto materno" para levar as mulheres à maternidade.]

Hollingworth, Leta S. (1922). Ação diferencial sobre os sexos de forças que tendem a segregar os fracos de espírito. Journal of Abnormal Psychology & amp Social Psychology, 17, 35-57.

Hood, William R. [Ver M. Sherif et al. (1954/1961).]

Howes, Ethel Puffer . (1922). Aceitando o universo. Atlantic Monthly, 129, 444-453.

casco , Clark EU. (1934a). O conceito de hierarquia familiar de hábito e aprendizagem em labirinto: Parte I. Revisão Psicológica, 41, 33-54.

casco , Clark EU. (1934b). O conceito de hierarquia familiar de hábito e aprendizagem em labirinto: Parte II. Revisão Psicológica, 41, 134-152.

casco , Clark EU. (1935). As psicologias conflitantes da aprendizagem - uma saída. Revisão Psicológica, 42, 491-516.

Hume, James Gibson . (1892). Psicologia fisiológica. Ata da Vigésima Primeira Convenção Anual do Ontário Associação de Professores , pp. 86-106. [Revisão e crítica idealista do estado da psicologia científica na década de 1890 por um membro fundador da APA.]

Hume, James Gibson . (1895). Psicologia na Universidade de Toronto. Revisão Psicológica, 2, 172. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1894 da American Psychological Association.]

Hume, James Gibson . (1897). O valor prático da psicologia para o professor. Toronto: George N. Morang. [Originalmente entregue perante a Ontario Teachers 'Association, Toronto, 1897.]

Hume, James Gibson . (1898). Contribuições da psicologia para a moralidade e religião. Revisão Psicológica, 5, 162-163. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1897 da American Psychological Association.]

Hume, James Gibson . (1909). A afiliação adequada da psicologia: com a filosofia ou as ciências naturais. Boletim Psicológico, 6, 65-67. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1908 da Southern Society for Philosophy and Psychology.]

Hume, James Gibson . (1909). A importância do pragmatismo para a história da filosofia. Revisão Filosófica, 18, 176-177. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1908 da American Philosophical Association.]

Hume, James Gibson . (1910). O significado do suicídio. Revisão Filosófica, 19, 179-180. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1901 da American Philosophical Association.]

Hume, James Gibson . (1916). A verdade científica e o espírito científico. Universidade de Toronto Por mês , 16, 443-445.

Hume, James Gibson . (1922). Evolução e personalidade. No Ensaios filosóficos apresentados a John Watson (pp. 298-330). Kingston, ON: Queen's University. [A principal obra intelectual do filósofo de Toronto de longa data.]

James, William . (1879). Somos autômatos? Mente, 4, 1-22. [Resposta de James para T.H. Huxley's & quotNa hipótese de que os animais são autômatos, e sua história & quot (1874), disponível em: http://aleph0.clarku.edu/huxley/CE1/AnAuto.html.]

James, William . (1884). O que é uma emoção? Mente, 9, 188-205. [A principal afirmação da teoria da emoção de James-Lange: & quotEu vejo um urso, corro, estou com medo. & Quot]

James, William . (1887). Consciência de membros perdidos. Proceedings of the American Society for Psychical Research, 1, 249-258.

James, William . (1890). Os princípios da psicologia. [Talvez o texto de psicologia de língua inglesa mais importante da história.]

James, William . (1892). O fluxo de consciência. A partir de Psicologia (capítulo XI). Cleveland e Nova York, World. [Um relato um pouco mais curto da consciência do que aquele encontrado na íntegra Princípios.]

James, William . (1904a). A consciência existe? Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 1, 477-491. [Um relato jamesiano posterior da consciência.]

James, William . (1904b). Um mundo de pura experiência. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 1, 533-543, 561-570. [James, o empirista radical.]

James, William (1904c). A escola de Chicago. Boletim Psicológico, 1, 1-5. [James dá a functionlaism seu apelido enquanto analisa Dewey et al. Estudos em Teoria Lógica.]

James, William . (1907). As energias dos homens. Ciência, N.S. 25 (No. 635), 321-332. [Discurso presidencial de James à American Philosophical Association.]

Janet, Pierre . (1930). Autobiografia de Pierre Janet. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 123-133). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande psiquiatra francês do trabalho de sua vida.]

Jastrow, Joseph. . (1891). Um estudo em estatísticas mentais. Nova resenha, 5, 559-568.

Jastrow, Joseph . (1893). A seção de psicologia. em M.P. Hardy (Ed.), Catálogo Oficial - Exposição Mundial da Colômbia (Parte vii, pp. 50-60).

Jastrow, Joseph . (1896). Comunidade de ideias de homens e mulheres. Revisão Psicológica, 3, 68-71. [Responder a Nevers (1895).]

Jastrow, Joseph . (1935). A psicologia falhou? American Scholar, 4, 261-269. [O fundador do departamento de psicologia de Wisconsin dá suas avaliações finais do behaviorismo e da psicanálise e propõe uma psicologia baseada na teoria da evolução.]

Jastrow, Joseph . [Ver Baldwin, Cattell & amp Jastrow (1898).]

Jones, Mary Cover . (1924). Um estudo de laboratório do medo: o caso de Peter. Seminário Pedagógico, 31, 308-315.

Jung, Carl G. (1910). O método de associação. American Journal of Psychology, 31, 219-269. [Introdução da psicologia junguiana ao trabalho empírico mais importante de Jung da América do Norte.]

Jung, Carl G. (1921/1923). Descrição geral dos tipos. Capítulo 10 de Tipos psicológicos (H. G. Bayes, Trans.). (Trabalho original publicado em 1921) [Capítulo-chave do principal tratado de Jung sobre personalidade.]

Koffka, Kurt . (1922). Percepção: Uma introdução ao Teoria da Gestalt. Boletim Psicológico, 19, 531-585. [O primeiro artigo em inglês sobre Gestalt psicologia.]

K hler, Wolfgang . (1959). Psicologia da Gestalt hoje. Psicólogo americano, 14, 727-734. [Endereço presidencial da APA de K hler.]

Konorski, J. & amp Miller, S. (1937). Em dois tipos de reflexo condicionado. Journal of General Psychology, 16, 264-272. [Principal crítica de Skinner (1935).]

Krohn, William O. (1894). Instalações em psicologia experimental nas faculdades dos Estados Unidos. No Relatório do Comissário de Educação para o ano de 1890 a '91 (Vol. 2, pp. 1139-1151).

Krstic, Kruno. (1964). Marko Marulic - O autor do termo & quotpsicologia & quot. Acta Instituti Psychologici Universitatis Zagrabiensis, não. 36, pp. 7-13. [Estudo raro da origem do termo & quotpsicologia & quot.]

Ladd Franklin, Christine . (1904). Professores dotados para mulheres. Publicações da Association of Collegiate Alumnae, Series III, No. 9, pp. 53-61.

Ladd Franklin, Christine . (1908). Relatório da comissão sobre a dotação de bolsas de estudo. De & quotProcedimentos & quot no Publicações da Association of Collegiate Alumnae, Series III, No. 17, pp. 143-146.

Lange, Carl Georg . (1885). O mecanismo das emoções. Trans. por Benjamin Rand, apareceu pela primeira vez em Rand, Benjamin (Ed.) (1912). Os psicólogos clássicos (pp. 672-684). [A fonte & quotoutra & quot da teoria da emoção de James-Lange.]

Lange, Ludwig. (1888/2009). Novos experimentos sobre o processo de simples reação às impressões sensoriais. (Tradução de David D. Lee de Neue Experimente ber den Vorgang der einfachen Reaction auf Sinneseindr cke.) Philosophische Studien, 4, 479-510. (em .pdf). [O artigo do futuro assistente de Wundt que afirmava tipos distintos de reação & quotensorial & quot e & quotmuscular & quot, iniciando assim um debate (Cattell, Baldwin, Titchener, Angell) que levou à escola do Funcionalismo.]

Lashley, Karl S. (1923). A interpretação comportamental da consciência. Boletim Psicológico, 30, 237-272, 329-353.

Lashley, Karl S. (1930). Mecanismos neurais básicos no comportamento. Revisão Psicológica, 37, 1-24. [Um dos artigos mais influentes de Lashley.]

Levy, D.M. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Lovelace, A. Ada. (1843). Notas do tradutor [para L.F. Menabrea's & quotSketch of the analytical engine inventado por Charles Babbage, Esq. & Quot]. Memórias científicas, 3, 666-731. [As extensas anotações de Lady Lovelace sobre o relato principal do computador mecânico de Babbage.]

Marbe, Karl . (1930). Autobiografia de Karl Marbe. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 181-213). Worcester, MA: Clark University Press. [O relato do proeminente psicólogo de W rzburg sobre sua própria vida.]

Maslow, Abraham H. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Maslow, Abraham H. (1943). Uma teoria da motivação humana. Revisão Psicológica, 50, 370-396. [A primeira descrição publicada da & quotierarquia de necessidades. & Quot]

McCosh, James . (1874). Aspectos religiosos da doutrina do desenvolvimento. Em P. Schaff & amp S. Prime (Eds.). História, ensaios, orações e outros documentos da sexta conferência geral da Aliança Evangélica, realizada em Nova York, de 2 a 12 de outubro de 1873, Nova York, pp. 269-271. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 96-101.

McDougall, William . [ver Watson & amp MacDougall (1929)].

MacCorquodale, Kenneth & amp Meehl, Paul E. (1948). Em uma distinção entre construtos hipotéticos e variáveis ​​intervenientes. Revisão Psicológica, 55, 95-107. [Tentativa clássica de esclarecer um grande problema terminológico na metodologia psicológica.]

Mead, George H. (1913). O eu social. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 10, 374-380. [Artigo principal do & quotsocial behaviorista. & Quot]

Meehl, Paul E. . [Ver Cronbach & amp Meehl (1955) MacCorquodale & amp Meehl (1948).]

Menabrea, Luigi F. (1843). Esboço do motor analítico inventado por Charles Babbage, esq. (A.A. Lovelace, Trans.). Memórias científicas, 3, 666-731. (Trabalho original publicado em 1842 em Biblioth que Universelle de Gen ve, No. 82) [O principal relato do computador mecânico de Babbage.]

Miller, George A. (1956). O número mágico sete, mais ou menos dois: alguns limites em nossa capacidade de processamento de informações. Revisão Psicológica, 63, 81-97. [Um clássico na pesquisa de memória e uma das primeiras contribuições para a & quot revolução cognitiva. & Quot]

Miller, N., Sears, R.R., Rosenzweig, S., Bateson, G., Levy, D.M., Hartmann, G.W., & amp Maslow, A.H. (1941). Simpósio sobre a hipótese de frustração-agressão. Revisão Psicológica, 48, 337-366.

Miller, S. [Ver Konorski & amp Miller (1937).]

Morgan, C. Lloyd (1896). Sobre modificação e variação. Ciência, NS 4, No. 99, 733-740. [Versão de Morgan do & quot efeito Baldwin & quot, publicada no mesmo ano do artigo de Baldwin.]

Morgan, C. Lloyd . (1930). Autobiografia de C. Lloyd Morgan. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 237-264). Worcester, MA: Clark University Press.

Morgulis, Sergius . [Ver Yerkes & amp Morgulis (1909).]

M nsterberg, Hugo . (1893a). A nova psicologia e o equipamento de Harvard para ensiná-la. Harvard Graduate Magazine, 1 (2), 201-209. [Uma defesa da nova psicologia pelo novo diretor do maior laboratório.]

M nsterberg, Hugo . (1893b). Laboratório psicológico da Universidade de Harvard. [Um catálogo de equipamentos e leituras, preparado para a Exposição Mundial da Colômbia em Chicago.]

M nsterberg, Hugo . (1899). Psicologia e história. Revisão Psicológica, 6, 1-31. [Discurso presidencial da APA de M nsterberg sobre a relação epistemológica entre as ciências naturais e as ciências normativas. Primeira discussão em inglês de métodos ideográficos e nomotéticos, mais tarde popularizada por Gordon Allport.]

M nsterberg, Hugo . (1908/1925). No banco das testemunhas. [A tentativa de vender os insights e métodos da psicologia científica para a comunidade jurídica prenuncia muitos dos problemas atuais da psicologia forense.]

M nsterberg, Hugo . (1913). Psicologia e eficiência industrial. [Tentativa de vender os insights e métodos da psicologia científica para a principal contribuição inicial da indústria para a psicologia industrial / organizacional.]

Peirce, Charles Sanders e Jastrow, Joseph (1884). Pequenas diferenças na sensação. Memórias do Nacional Academia das Ciências, 3, 73-83. Crítica probabilística de Peirce ao conceito de Fechner de limiar de discriminação. Possivelmente o primeiro estudo psicológico experimental americano publicado.]

Platão . (cerca de 360 ​​aC). Timeu (B. Jowett, Trans.) [A descrição de Platão da origem do cosmos inclui seu relato da origem e natureza do psique.]

Poe, Edgar Allan . (1850). Revelação mesmérica. [Uma história sobre uma sessão de mesmerismo no leito de morte do paciente.]

Carteiro, Leo . [Ver Bruner & amp Postman (1949).]

Ethel Puffer . [Ver Howes, Ethel Puffer. (1922).]

Rogers, Carl R. . (1946). Aspectos significativos da terapia centrada no cliente. Psicólogo americano, 1, 415-422.

Rogers, Carl R. . (1947). Algumas observações sobre a organização da personalidade. Psicólogo americano, 2, 358-368. [Discurso presidencial da APA de Rogers.]

Rosenzweig, S. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Ross, Dorothea . [Ver Bandura, Ross & amp Ross, (1961).]

Ross, Sheila . [Ver Bandura, Ross & amp Ross (1961).]

Royce, Josiah . (1902). Pesquisas lógicas recentes e suas orientações psicológicas. Revisão Psicológica, 9, 105-133. [Discurso presidencial de Royce na APA sobre o impacto potencial do desenvolvimento recente da filosofia da matemática para a psicologia do pensamento.]

Rozeboom, William W. (1960). A falácia do teste de significância da hipótese nula. Boletim Psicológico, 57, 416-428.

Sanford, Edmund C. (1891-1893). Um curso de laboratório em psicologia fisiológica. American Journal of Psychology, 4, 141-155, 303-322, 474-490 5, 390-415, 593-616. [Um dos cursos de psicologia & quot padrão & quot da década de 1890.]

Sears, R.R. [Ver N. Miller et al. (1941).]

Sherif, Carolyn W. [Ver M. Sherif et al. (1954/1961).]

Sherif, Muzafer, Harvey, O. J., White, B. Jack, Hood, William R., & amp Sherif, Carolyn W. (1954/1961). Conflito e cooperação entre grupos: o experimento da Caverna dos Ladrões.

Skinner, B. F. (1935). Dois tipos de reflexo condicionado e um pseudotipo. Journal of General Psychology, 12, 66-77. [Declaração principal do behaviorismo operante.]

Skinner, B. F. (1937). Dois tipos de reflexo condicionado: uma resposta a Konorski e Miller. Journal of General Psychology, 16, 272-279. [Resposta à crítica principal de Skinner (1935).]

Skinner, B. F. (1948). 'Superstição' no pombo. Journal of Experimental Psychology, 38, 168-172. [Um clássico na teoria da aprendizagem.]

Skinner, B. F. (1950). teorias de aprendizado são necessárias? Revisão Psicológica, 57, 193-216.

Spearman, Charles . (1904). “Inteligência geral,” objetivamente determinada e medida. American Journal of Psychology, 15, 201-293. [Provavelmente o artigo mais influente na história da teoria da inteligência psicométrica.]

Stroop, J. Ridley . (1935). Estudos de interferência em reações verbais seriais. Journal of Experimental Psychology, 18, 643-662. [O & quot padrão ouro & quot em estudos de processamento cognitivo automático.]

Stumpf, Carl. (1930). Autobiografia de Carl Stumpf. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 389-441). Worcester, MA: Clark University Press. [O resumo do grande psicólogo alemão sobre o trabalho de sua vida.]

Szasz, Thomas S. (1960). O mito da doença mental. Psicólogo americano, 15, 113-118. [Uma afirmação clássica da & quotanti-psiquiatria & quot. Americana.]

Terman, Lewis M . (1916). O uso de testes de inteligência. A partir de A medição da inteligência (capítulo 1). Boston: Houghton Mifflin. [Declaração principal da abordagem de Terman aos testes de inteligência.]

  • Introdução a Terman (1916) por Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton.

Terman, Lewis M . (1930). Autobiografia de Lewis M. Terman. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 297-331). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande testador de inteligência sobre o trabalho de sua vida.]

Woolley, Helen Thompson, . [veja também Woolley, Helen Thompson. (1910)]

Thorndike, Edward L. e Woodworth, Robert S. (1901a). A influência da melhoria em uma função mental sobre a eficiência de outras funções (I). Revisão Psicológica, 8, 247-261. [Estudo clássico na transferência de treinamento de uma tarefa para outra.]

Thorndike, Edward L. e Woodworth, Robert S. (1901b). A influência da melhoria em uma função mental sobre a eficiência de outras funções: II. A estimativa de magnitudes. Revisão Psicológica, 8, 384-395. [Estudo clássico na transferência de treinamento de uma tarefa para outra.]

Thorndike, Edward L. e Woodworth, Robert S. (1901c). A influência da melhoria em uma função mental sobre a eficiência de outras funções: III. Funções que envolvem atenção, observação e discriminação. Revisão Psicológica, 8, 553-564. [Estudo clássico na transferência de treinamento de uma tarefa para outra.]

Thorndike, Edward L. (1910). A contribuição da psicologia para a educação. Journal of Educational Psychology, 1, 5-12. [Contribuição inicial para a psicologia educacional.]

Thorndike, Edward L. (1911). Inteligência animal. [Livro mais importante do importante funcionalista de Columbia.]

Thouless, Robert H. (1935). A tendência à certeza na crença religiosa. British Journal of Psychology, 26, 16-31. [Esta versão .pdf agradece a Burke Brown, U. Toronto.]

Thurstone, L. L. (1934). Os vetores da mente. Revisão Psicológica, 41, 1-32. [Extensão de Thurstone do trabalho de Spearman em g a um modelo multifatorial de habilidades mentais.]

Titchener, Edward B. (1895a). Reações simples. Mente, 4, 74-81. [O artigo que iniciou o debate estruturalista-funcionalista.]

Titchener, Edward B. (1895b). A teoria dos tipos de reação simples. Mente, 4, 506-514. [Resposta à crítica de Baldwin (1895) a Titchener (1895a).]

Titchener, Edward B. (1896). A 'teoria dos tipos' da reação simples. Mente, 5, 236-241. [Resposta de Titchener a Baldwin (1896)]

Titchener, Edward B. (1898a). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Filosófica, 7, 449-465. [Declaração principal da escola estruturalista de Titchener.]

Titchener, Edward B. (1898b). Um laboratório psicológico. Mente, 7, 311-331. [Descrição do laboratório Cornell, seu equipamento e seu custo.]

Titchener, Edward B. (1899). Psicologia estrutural e funcional. Revisão Filosófica, 8, 290-299. [Responder a Caldwell, 1899.]

Titchener, Edward B. (1912). O esquema de introspecção. American Journal of Psychology, 23, 485-508. [Principal defesa da escola estruturalista de Titchener.]

Titchener, Edward B. (1914). Na & quot Psicologia como o behaviorista a vê & quot. Proceedings of the American Philosophical Society, 53, 1-17. [A resposta do chefe estruturalista ao manifesto do chefe behaviorista.]

Titchener, E. B. (1921). Brentano e Wundt: Psicologia empírica e experimental. American Journal of Psychology, 32, 108-120.

Tolman, Edward C. (1922). Uma nova fórmula para o behaviorismo. Revisão Psicológica, 29, 44-53. [Declaração clássica do behaviorismo & quotcognitivo & quot de Tolman.]

Tolman, Edward, C. (1948). Mapas cognitivos em ratos e homens. Revisão Psicológica, 55(4), 189-208. [Revisão principal do behaviorismo & quotcognitivo & quot de Tolman.]

Triplett, Norman. (1898). Os fatores dinamogênicos no marcapasso e na competição. American Journal of Psychology, 9, 507-533. [Frequentemente chamado de primeiro experimento de psicologia social de facilitação social entre ciclistas.]

Washburn, Margaret Floy . (1922). A introspecção como método objetivo. Revisão Psicológica, 29, 89-112. [Discurso presidencial APA de Washburn em 1921.]

Washburn, Margaret Floy . (1930). Autobiografia de Margaret Floy Washburn. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 333-358). Worcester, MA: Clark University Press.

Watson, John B. (1907). Estudando a mente dos animais. O mundo hoje, 12, 421-426. [Uma declaração rara, inicial e popular de funcionalismo pelo & quot fundador & quot do behaviorismo.]

Watson, John B. (1913). Psicologia como o behaviorista vê isso. Revisão Psicológica, 20, 158-177. [O manifesto clássico do behaviorismo.]

Watson, John B. (1916). Comportamento e o conceito de doença mental. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 13, 589-597.

Watson, John B. (1920). O pensamento é apenas a ação dos mecanismos da linguagem? British Journal of Psychology, 11, 87-104.

Watson, John B. & amp Rayner, Rosalie . (1920). Reações emocionais condicionadas. Journal of Experimental Psychology, 3, 1-14. [O famoso estudo & quotLittle Albert & quot.]

Watson, John B. & amp MacDougall, [1] William. (1929). A batalha do behaviorismo: uma exposição e uma exposição. [Um debate entre o principal behaviorista e o principal teórico do instinto do início do século XX.]

Wertheimer, Max . (1938). Leis de organização em formas perceptivas. Em W. Ellis, W (Ed. & Amp Trans.), Um livro de referência da psicologia da Gestalt (pp. 71-88). Londres: Routledge & amp Kegan Paul. (Trabalho original publicado em 1923 como Untersuchungen zur Lehre von der Gestalt II, em Psychologische Forschung, 4, 301-350.) [Um dos mais influentes de todos Gestalt papéis.]

White, B. Jack . [Ver M. Sherif et al. (1954/1961).]

Witmer, Lightner . (1907). Psicologia Clínica. Clínica Psicológica, 1, 1-9. [A fonte da frase & quot psicologia clínica & quot.]

Woodworth, Robert S. . (1930). Autobiografia de Robert S. Woodworth. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 359-380). Worcester, MA: Clark University Press.

Woodworth, Robert S. [Ver Thorndike & amp Woodworth (1901a, 1901b, 1901c).]

Woolley, Helen Thompson . (1910). Uma revisão da literatura recente sobre a psicologia do sexo. Boletim Psicológico, 7, 335-342.

Woolley, Helen Thompson, . [ver também Thompson, Helen Bradford. (1903).]

Wright, Chauncey . (1870). Limites da seleção natural. Crítica Norte Americana (Outubro). [Crítica de Alfred Russel Wallace, & quotOs limites da seleção natural aplicada ao homem & quot (1869), pelo homem que foi mentor de William James e Charles Sanders Peirce.]

Wright, Chauncey . (1873). Evolução da autoconsciência. Crítica Norte Americana (Abril). [Artigo solicitado a Wright por Charles Darwin.]

  • Madden, E. H. (1963). A metafísica da autoconsciência. Capítulo 7 de Chauncey Wright e os fundamentos do pragmatismo (pp. 128-142). Reproduzido com permissão da University of Washington Press.

Wundt, Wilhelm Max. (1874/1902/1904). Princípios da psicologia fisiológica (Edward Bradford Titchener, Trans.) (Da 5ª edição alemã, publicado em 1902 1ª edição alemã publicada em 1874) [Texto clássico do fundador do primeiro laboratório de pesquisa psicológica.]

Wundt, Wilhelm Max. (1896/1897). Contornos de psicologia (Charles Hubbard Judd, trad.). [Texto clássico do fundador do primeiro laboratório de pesquisa psicológica.]

Yerkes, Robert M. e Dodson, John D. (1908). A relação entre a força do estímulo e a rapidez na formação do hábito. Journal of Comparative Neurology and Psychology, 18, 459-482. [A origem da Lei Yerkes-Dodson.]

Yerkes, Robert M. e Morgulis, Sergius. (1909). O método de Pawlow na psicologia animal. Boletim Psicológico, 6, 257-273. [O artigo que apresentou o trabalho de Pavlov na América do Norte.]

Yerkes, Robert M. (1930). Autobiografia de Robert M. Yerkes. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 381-407). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande psicólogo comparativo do trabalho de sua vida.]


Clássicos da História da Psicologia

Para obras adicionais dos pré-socráticos, Platão, Aristóteles, Hipócrates, Euclides, Lucrécio, Epicteto, Galeno, Plotino e Agostinho, consulte a página Links para documentos em outros sites.

Pensamento medieval e renascentista

Para obras de Tomás de Aquino, Roger Bacon, Pico e Maquiavel, consulte a página Links para documentos em outros sites.

Pensamento Filosófico Moderno

Bowen, Francis. (1860). Observações sobre a última forma da teoria do desenvolvimento. Memórias da Academia Americana de Artes e Ciências, n.s., VIII , pp. 98-107, comunicado em 27 de março, 10 de abril e 1 de maio de 1860. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo vem para a América. Waltham, MA: Blaisdell, pp. 66-74.

McCosh, James . (1874). Aspectos religiosos da doutrina do desenvolvimento. Em P. Schaff & amp S. Prime (Eds.). História, ensaios, orações e outros documentos da sexta conferência geral da Aliança Evangélica, realizada em Nova York, de 2 a 12 de outubro de 1873, Nova York, pp. 269-271. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 96-101.

Herbart, J. F. (1877). Possibilidade e necessidade de aplicação da matemática na psicologia (H. Haanel, Trans.). Journal of Speculative Philosophy, 11, 251-264.

Fiske, John . (1902). O serviço de Herbert Spencer à religião. Essays Historical and Literary, New York, II, pp. 232-237. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo vem para a América. Waltham, MA: Blaisdell, pp. 106-110.

Royce, Josiah . (1902). Pesquisas lógicas recentes e suas orientações psicológicas. Revisão Psicológica, 9, 105-133. [Discurso presidencial da APA de Royce sobre o impacto potencial dos desenvolvimentos então recentes na filosofia da matemática para a psicologia do pensamento.]

Stumpf, Carl. (1930). Autobiografia de Carl Stumpf. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 389-441). Worcester, MA: Clark University Press. [O resumo do grande psicólogo alemão sobre o trabalho de sua vida.]

Titchener, E. B. (1921). Brentano e Wundt: Psicologia empírica e experimental. American Journal of Psychology, 32, 108-120.

Creighton, J. E. (1902). Os objetivos de uma associação filosófica. Revisão Filosófica, 11, 219-237.

Para obras adicionais de Descartes, Hobbes, Pascal, Locke, Leibniz, Spinoza, Berkeley, Voltaire, Hume, Smith, Malthus, Kant, Hegel, Marx, Mill, Brentano, Mach, Peirce, James, Dewey, Husserl, Russell, Mead, e Merleau-Ponty veem a página Links para documentos em outros sites.

Associação Americana de Psicologia

M nsterberg, Hugo . (1899). Psicologia e história. Revisão Psicológica, 6, 1-31. [Endereço presidencial da APA de 1898.]

Royce, Josiah . (1902). Pesquisas lógicas recentes e suas orientações psicológicas. Revisão Psicológica, 9, 105-133. [Discurso presidencial da APA de 1902.]

Calkins, Mary Whiton . (1906). Uma reconciliação entre psicologia estrutural e funcional. Revisão Psicológica, 8, 61-81. [Discurso presidencial da APA de 1905.]

Angell, James Rowland . (1907). A província da psicologia funcional. Revisão Psicológica, 14, 61-91. [Discurso presidencial da APA de 1906.]

Washburn, Margaret Floy . (1922). A introspecção como método objetivo. Revisão Psicológica, 29, 89-112. [Discurso presidencial da APA de 1921.]

Chato, Edwin G. (1929). A psicologia da controvérsia. Revisão Psicológica, 36, 97-121. [Discurso presidencial da APA em 1928.]

Lashley, Karl S. (1930). Mecanismos neurais básicos no comportamento. Revisão Psicológica, 37, 1-24. [Discurso presidencial da APA de 1929.]

Thurstone, L. L. (1934). Os vetores da mente. Revisão Psicológica, 41, 1-32. [Discurso presidencial da APA de 1933.]

Allport, Gordon W. (1940). O quadro de referência do psicólogo. Boletim Psicológico, 37, 1-28. [Discurso presidencial da APA em 1939.]

Fernberger, Samuel W. (1943). The American Psychological Association 1892-1942. Revisão Psicológica, 50, 33-60.

Guthrie, Edwin R. (1946). Fatos psicológicos e teoria psicológica. Boletim Psicológico, 43, 1-20. [Discurso presidencial da APA em 1945.]

Associação Americana de Psicologia . (1947). Programa de treinamento de pós-graduação recomendado em psicologia clínica. Psicólogo americano, 2, 539-558. [O relatório que propôs o chamado & quotModelo de Boulder & quot.]

Rogers, Carl R. . (1947). Algumas observações sobre a organização da personalidade. Psicólogo americano, 2, 358-368. [Endereço Presidencial da APA de 1947].

Cronbach, Lee J. (1957). As duas disciplinas de psicologia científica. Psicólogo americano, 12, 671-684. [Discurso presidencial da APA de 1957.]

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685. [Discurso presidencial da APA de 1958.]

K hler, Wolfgang . (1959). Psicologia da Gestalt hoje. Psicólogo americano, 14, 727-734. [Discurso presidencial da APA de 1959.]

Behaviorismo

Watson, John B. (1907). Estudando a mente dos animais. O mundo hoje, 12, 421-426. [Uma declaração rara, inicial e popular de funcionalismo pelo & quot fundador & quot do behaviorismo.]

Yerkes, Robert M. e Dodson, John D. (1908). A relação entre a força do estímulo e a rapidez na formação do hábito. Journal of Comparative Neurology and Psychology, 18, 459-482.

Yerkes, Robert M. e Morgulis, Sergius . (1909). O método de Pawlow na psicologia animal. Boletim Psicológico, 6, 257-273.

Dunlap, Knight . (1912). O caso contra a introspecção. Revisão Psicológica, 19, 404-413.

Watson, John B. (1913). Psicologia como o behaviorista vê isso. Revisão Psicológica, 20, 158-177

Titchener, Edward B. (1914). Na & quot Psicologia como o behaviorista a vê & quot. Proceedings of the American Philosophical Society, 53, 1-17.

Watson, John B. (1916). Comportamento e o conceito de doença mental. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 13, 589-597.

Watson, John B. (1920). O pensamento é apenas a ação dos mecanismos da linguagem? British Journal of Psychology, 11, 87-104.

Watson, John B. & amp Rayner, Rosalie . (1920). Reações emocionais condicionadas. Journal of Experimental Psychology, 3, 1-14.

Washburn, Margaret Floy . (1922). A introspecção como método objetivo. Revisão Psicológica, 29, 89-112.

Tolman, Edward C. (1922). Uma nova fórmula para o behaviorismo. Revisão Psicológica, 29, 44-53.

Lashley, Karl S. (1923). A interpretação comportamental da consciência. Boletim Psicológico, 30, 237-272, 329-353.

Jones, Mary Cover . (1924). Um estudo de laboratório do medo: o caso de Peter. Seminário Pedagógico, 31, 308-315.

Lashley, Karl S. (1930). Mecanismos neurais básicos no comportamento. Revisão Psicológica, 37, 1-24.

Morgan, C. Lloyd . (1930). Autobiografia de C. Lloyd Morgan. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 237-264). Worcester, MA: Clark University Press.

Yerkes, Robert M. (1930). Autobiografia de Robert M. Yerkes. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 381-407). Worcester, MA: Clark University Press.

casco , Clark EU. (1934a). O conceito de hierarquia familiar de hábito e aprendizagem em labirinto: Parte I. Revisão Psicológica, 41, 33-54.

casco , Clark EU. (1934b). O conceito de hierarquia familiar de hábito e aprendizagem em labirinto: Parte II. Revisão Psicológica, 41, 134-152.

casco , Clark EU. (1935). As psicologias conflitantes da aprendizagem - uma saída. Revisão Psicológica, 42, 491-516.

Jastrow, Joseph . (1935). A psicologia falhou? American Scholar, 4, 261-269.

Skinner, B. F. (1935). Dois tipos de reflexo condicionado e um pseudotipo. Journal of General Psychology, 12, 66-77.

Konorski, J. & amp Miller, S. (1937). Em dois tipos de reflexo condicionado. Journal of General Psychology, 16, 264-272.

Skinner, B. F. (1937). Dois tipos de reflexo condicionado: uma resposta a Konorski e Miller. Journal of General Psychology, 16, 272-279.

Guthrie, Edwin R. (1946). Fatos psicológicos e teoria psicológica. Boletim Psicológico, 43, 1-20.

Skinner, B. F. (1948). 'Superstição' no pombo. Journal of Experimental Psychology, 38, 168-172.

Tolman, Edward, C. (1948). Mapas cognitivos em ratos e homens. Revisão Psicológica, 55(4), 189-208.

Skinner, B. F. (1950). teorias de aprendizado são necessárias? Revisão Psicológica, 57, 193-216.

Hebb, D. O. (1955). Drives e o C.N.S. (sistema nervoso conceitual). Revisão Psicológica, 62, 243-254.

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685.

Breland, Keller & amp Breland, Marian . (1961). O mau comportamento dos organismos. Psicólogo americano, 16, 681-684.

Conhecimento

Menabrea, Luigi F. (1842/1843). Esboço do motor analítico inventado por Charles Babbage, esq. (A.A. Lovelace, Trans.). Memórias científicas, 3, 666-731. (Trabalho original publicado em 1842 em Biblioth que Universelle de Gen ve, No. 82)

Galton, Francis . (1880). Estatísticas de imagens mentais. Mente, 5, 301-318.

Ebbinghaus, Hermann . (1885/1913). Memória: uma contribuição para a psicologia experimental (Henry A. Ruger e Clara E. Bussenius, Trans.). (Originalmente publicado em 1885)

Jastrow, Joseph. . (1891). Um estudo em estatísticas mentais. Nova resenha, 5, 559-568.

Calkins, Mary Whiton . (1896). Associação: Um ensaio analítico e experimental. Suplemento de monografias de revisão psicológica, 1 (2).

Royce, Josiah . (1902). Pesquisas lógicas recentes e suas orientações psicológicas. Revisão Psicológica, 9, 105-133. [Discurso presidencial de Royce na APA sobre o impacto potencial do desenvolvimento recente da filosofia da matemática para a psicologia do pensamento.]

Stroop, J. Ridley . (1935). Estudos de interferência em reações verbais seriais. Journal of Experimental Psychology, 18, 643-662.

Thouless, Robert H. (1935). A tendência à certeza na crença religiosa. British Journal of Psychology, 26, 16-31. [Esta versão .pdf agradece a Burke Brown, U. Toronto.]

Heider, Fritz . (1946). Atitudes e organização cognitiva. Journal of Psychology, 21, 107-112.

Bruner, Jerome S. & amp Goodman, Cecile C. (1947). Valor e necessidade como fatores organizadores da percepção. Journal of Abnormal and Social Psychology, 42, 33-44.

Bruner, Jerome S. & amp Postman, Leo . (1949). Sobre a percepção da incongruência: um paradigma. Jornal da Personalidade, 18, 206-223.

Hebb, D. O. (1955). Drives e o C.N.S. (sistema nervoso conceitual). Revisão Psicológica, 62, 243-254.

Teoria do Desenvolvimento

Darwin, Charles . (1877). Um esboço biográfico de uma criança. Mente, 2, 285-294.

Hall, G. Stanley . (1904). Meninas adolescentes e sua educação. A partir de Adolescência: sua psicologia e suas relações com a fisiologia, antropologia, sociologia, sexo, crime, religião e educação (Vol. 2, Capítulo 17).

Binet, Alfred . (1905/1916). Novos métodos para o diagnóstico do nível intelectual de subnormais. Em E. S. Kite (Trans.), O desenvolvimento da inteligência em crianças. Vineland, NJ: Publicações da Escola de Treinamento em Vineland. (Originalmente publicado em 1905 em L'Ann e Psychologique, 12, 191-244.)

  • Introdução a Binet (1905/1916) de Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton

Witmer, Lightner . (1907). Psicologia Clínica. Clínica Psicológica, 1, 1-9.

Thorndike, Edward L. (1910). A contribuição da psicologia para a educação. Journal of Educational Psychology, 1, 5-12.

Terman, Lewis M. (1916). O uso de testes de inteligência. A partir de A medição da inteligência (capítulo 1). Boston: Houghton Mifflin.

  • Introdução a Terman (1916) por Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton.

Watson, John B. & amp Rayner, Rosalie . (1920). Reações emocionais condicionadas. Journal of Experimental Psychology, 3, 1-14.

Baldwin, James Mark . (1930). Autobiografia de James Mark Baldwin. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 1-30). Worcester, MA: Clark University Press.

Clark, Kenneth B. & amp Clark, Mamie K. (1940). Cor da pele como fator de identificação racial de pré-escolares negros. Journal of Social Psychology, S.P.S.S.I. Boletim, 11, 159-169.

Bruner, Jerome S. & amp Goodman, Cecile C. (1947). Valor e necessidade como fatores organizadores da percepção. Journal of Abnormal and Social Psychology, 42, 33-44.

Sherif, Muzafer, Harvey, O. J., White, B. Jack, Hood, William R., & amp Sherif, Carolyn W. (1954/1961). Conflito e cooperação entre grupos: o experimento da Caverna dos Ladrões.

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685.

Bandura, Albert, Ross, Dorothea e Ross, Sheila A. (1961). Transmissão de agressões por meio da imitação de modelos agressivos. Journal of Abnormal and Social Psychology, 63, 575-582.

Teoria Evolucionária

Gray, Asa. (1860). [Revisão de] A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural . American Journal of Science and Arts (Marchar). Reimpresso em 1876 em Darwiniana: Ensaios e Resenhas Pertencentes ao Darwinismo. [Uma revisão do professor de história natural de Harvard e o maior defensor de Darwin na América do Norte.]

Bowen, Francis. (1860). Observações sobre a última forma da teoria do desenvolvimento. Memórias da Academia Americana de Artes e Ciências, n.s., VIII , pp. 98-107, comunicado em 27 de março, 10 de abril e 1 de maio de 1860. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo vem para a América. Waltham, MA: Blaisdell, pp. 66-74.

Galton, Francis . (1865). Talento e caráter hereditários. Revista Macmillan, 12, 157-166, 318-327.

Wright, Chauncey . (1870). Limites da seleção natural. Crítica Norte Americana (Outubro).

Darwin, Charles . (1871). A descida do homem. Parte Um: Descida ou Origem do Homem (cap. 1-7).

Wright, Chauncey . (1873). Evolução da autoconsciência. Crítica Norte Americana (Abril).

  • Madden, E. H. (1963). A metafísica da autoconsciência. Capítulo 7 de Chauncey Wright e os fundamentos do pragmatismo (pp. 128-142). Reproduzido com permissão da University of Washington Press.

McCosh, James . (1874). Aspectos religiosos da doutrina do desenvolvimento. Em P. Schaff & amp S. Prime (Eds.). História, ensaios, orações e outros documentos da sexta conferência geral da Aliança Evangélica, realizada em Nova York, de 2 a 12 de outubro de 1873, Nova York, pp. 269-271. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 96-101.

Galton, Francis . (1875). História de gêmeos. Faculdade humana e seu desenvolvimento (pp. 155-173).

Darwin, Charles . (1877). Um esboço biográfico de uma criança. Mente, 2, 285-294.

James, William . (1879). Somos autômatos? Mente, 4, 1-22.

Morgan, C. Lloyd (1896). Sobre modificação e variação. Ciência, NS 4, No. 99, 733-740.

Fiske, John . (1902). O serviço de Herbert Spencer à religião. Essays Historical and Literary, New York, II, pp. 232-237. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo vem para a América. Waltham, MA: Blaisdell, pp. 106-110.

Watson, John B. (1907). Estudando a mente dos animais. O mundo hoje, 12, 421-426. [Uma declaração rara, inicial e popular de funcionalismo pelo & quot fundador & quot do behaviorismo.]

Morgan, C. Lloyd . (1930). Autobiografia de C. Lloyd Morgan. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 237-264). Worcester, MA: Clark University Press.

Jastrow, Joseph . (1935). A psicologia falhou? American Scholar, 4, 261-269.

Psicologia Experimental

Dewey, John . (1884). A nova psicologia. Crítica Andover, 2, 278-289.

Peirce, Charles Sanders e Jastrow, Joseph (1884). Pequenas diferenças na sensação. Memórias da Academia Nacional de Ciências, 3, 73-83. Crítica probabilística de Peirce ao conceito de Fechner de limiar de discriminação. Possivelmente o primeiro estudo psicológico experimental americano publicado.]

Hall, G. Stanley . (1885). A nova psicologia. Crítica Andover, 3, 120-135, 239-248.

Cattell, James McKeen. (1888). O laboratório psicológico em Leipsic. Mente, 13, 37-51.

Sanford, Edmund C. (1891-1893). Um curso de laboratório em psicologia fisiológica. American Journal of Psychology, 4, 141-155, 303-322, 474-490 5, 390-415, 593-616.

Baldwin, James Mark (1892). O laboratório psicológico da Universidade de Toronto. Ciência, 19 (no. 475), 143-144.

Calkins, Mary Whiton . (1892). Psicologia Experimental no Wellesley College. American Journal of Psychology, 5, 464-271.

Hume, James Gibson . (1892). Psicologia fisiológica. Ata da Vigésima Primeira Convenção Anual da Associação de Professores de Ontário, pp. 86-106.

Cattell, James McKeen. (1893/1947). Atenção e reação (R. S. Woodworth, Trans.). No James McKeen Cattell, homem da ciência (Vol. 1: Psychological Research, pp. 252-255, R. S. Woodworth, Trans.). Lancaster, PA: The Science Press, 1947. (Originalmente publicado como & quotAufmerksamkeit und Reaction & quot em Philosophische Studien, 8. 403-406. [Põe em questão os resultados da reação sensorial / muscular de L. Lange, estabelecendo as bases do funcionalismo - ver artigos de Titchener e Baldwin de 1895-96.]

Jastrow, Joseph . (1893). A seção de psicologia. em M.P. Hardy (Ed.), Catálogo Oficial - Exposição Mundial da Colômbia (Parte vii, pp. 50-60).

M nsterberg, Hugo . (1893a). A nova psicologia e o equipamento de Harvard para ensiná-la. Harvard Graduate Magazine, 1 (2), 201-209.

Hill, A. B. & amp Watanabe, R. (1894). Reações "sensoriais" e "musculares". American Journal of Psychology, 6, 242-246. [Supervisionado por E. B. Titchener, em apoio às descobertas de L. Lange.]

Krohn, William O. (1894). Instalações em psicologia experimental nas faculdades dos Estados Unidos. No Relatório do Comissário de Educação para o ano de 1890 a '91 (Vol. 2, pp. 1139-1151).

Baldwin, James Mark . (1895). Tipos de reação. Revisão Psicológica, 2, 259-273.

Titchener, Edward B. (1895a). Reações simples. Mente, 4, 74-81.

Titchener, Edward B. (1895b). A teoria dos tipos de reação simples. Mente, 4, 506-514.

Baldwin, James Mark . (1896). A 'teoria dos tipos' de reação. Mente, 5, 81-90.

Titchener, Edward B. (1896). A 'teoria dos tipos' da reação simples. Mente, 5, 236-241.

Cattell, James McKeen. (1898). O laboratório psicológico. Revisão Psicoógica, 5, 655-658.

Titchener, Edward B. (1898b). Um laboratório psicológico. Mente, 7, 311-331.

Abbott, Albert H. (1900). Psicologia experimental e o laboratório em Toronto. Universidade de Toronto Por mês , 1, 85-98, 106-112.

Cattell, James McKeen . (1928). Primeiros laboratórios psicológicos. Ciência, 67, 543- 548.

Harlow, Harry F. (1962). Princípios fundamentais para a preparação de artigos de periódicos de psicologia . . Journal of Comparative and Physiological Psychology, 55, 893-896.

Funcionalismo e pragmatismo

Bowen, Francis. (1860). Observações sobre a última forma da teoria do desenvolvimento. Memórias da Academia Americana de Artes e Ciências, n.s., VIII , pp. 98-107, comunicado em 27 de março, 10 de abril e 1º de maio de 1860. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 66-74.

Wright, Chauncey . (1870). Limites da seleção natural. Crítica Norte Americana (Outubro).

Wright, Chauncey . (1873). Evolução da autoconsciência. Crítica Norte Americana (Abril).

  • Madden, E. H. (1963). A metafísica da autoconsciência. Capítulo 7 de Chauncey Wright e os fundamentos do pragmatismo (pp. 128-142). Reproduzido com permissão da University of Washington Press.

McCosh, James . (1874). Aspectos religiosos da doutrina do desenvolvimento. Em P. Schaff & amp S. Prime (Eds.). História, ensaios, orações e outros documentos da sexta conferência geral da Aliança Evangélica, realizada em Nova York, de 2 a 12 de outubro de 1873, Nova York, pp. 269-271. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo chega a América . Waltham, MA: Blaisdell, pp. 96-101.

James, William . (1879). Somos autômatos? Mente, 4, 1-22.

Dewey, John . (1884). A nova psicologia. E acabou Análise , 2, 278-289.

James, William . (1884). O que é uma emoção? Mente, 9, 188-205.

Peirce, Charles Sanders e Jastrow, Joseph (1884). Pequenas diferenças na sensação. Memórias do Nacional Academia das Ciências, 3, 73-83. Crítica probabilística de Peirce ao conceito de Fechner de limiar de discriminação. Possivelmente o primeiro estudo psicológico experimental americano publicado.]

Lange, Carl Georg . (1885). O mecanismo das emoções. Trans. por Benjamin Rand, apareceu pela primeira vez em Rand, Benjamin (Ed.) (1912). Os psicólogos clássicos (pp. 672-684).

Hall, G. Stanley . (1885). A nova psicologia. Crítica Andover, 3, 120-135, 239-248.

James, William . (1887). Consciência de membros perdidos. Proceedings of the American Society for Psychical Research, 1, 249-258.

Lange, Ludwig. (1888/2009). Novos experimentos sobre o processo de simples reação às impressões sensoriais. (Tradução de David D. Lee de Neue Experimente ber den Vorgang der einfachen Reaction auf Sinneseindr cke.) Philosophische Studien, 4, 479-510. (em .pdf). [O artigo do futuro assistente de Wundt que afirmava tipos distintos de reação & quotensorial & quot e & quotmuscular & quot, iniciando assim um debate (Cattell, Baldwin, Titchener, Angell) que levou à escola do Funcionalismo.]

James, William . (1892). O fluxo de consciência. A partir de Psicologia (capítulo XI). Cleveland e Nova York, World.

Cattell, James McKeen. (1893/1947). Atenção e reação (R. S. Woodworth, Trans.). No James McKeen Cattell, homem da ciência (Vol. 1: Psychological Research, pp. 252-255, R. S. Woodworth, Trans.). Lancaster, PA: The Science Press, 1947. (Originalmente publicado como & quotAufmerksamkeit und Reaction & quot em Philosophische Studien, 8. 403-406. [Põe em questão os resultados da reação sensorial / muscular de L. Lange, estabelecendo as bases do funcionalismo - ver artigos de Titchener e Baldwin de 1895-96.]

Dewey, John . (1894). O ego como causa. Revisão Filosófica, 3, 337-341.

Hill, A. B. & amp Watanabe, R. (1894). Reações "sensoriais" e "musculares". American Journal of Psychology, 6, 242-246. [Supervisionado por E. B. Titchener, em apoio às descobertas de L. Lange.]

Baldwin, James Mark . (1895). Tipos de reação. Revisão Psicológica, 2, 259-273

Baldwin, James Mark . (1896). A 'teoria dos tipos' de reação. Mente, 5, 81-90.

Dewey, John . (1896) O conceito de arco reflexo em psicologia. Revisão Psicológica, 3, 357-370.

Morgan, C. Lloyd (1896). Sobre modificação e variação. Ciência, NS 4, No. 99, 733-740.

Caldwell, W. (1898). A visão do professor Titchener sobre o self. Revisão Psicológica , 5, 401-408.

Titchener, Edward B. (1898a). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Filosófica, 7, 449-465.

Caldwell, W. (1899). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Psicológica, 6, 187-191.

Titchener, Edward B. (1899). Psicologia estrutural e funcional. Revisão Filosófica, 8, 290-299.

Fiske, John . (1902). O serviço de Herbert Spencer à religião. Essays Historical and Literary, New York, II, pp. 232-237. Reimpresso em G. Daniels (Ed.) (1968). Darwinismo vem para a América. Waltham, MA: Blaisdell, pp. 106-110.

James, William . (1904a). A consciência existe? Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 1, 477-491.

James, William . (1904b). Um mundo de pura experiência. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 1, 533-543, 561-570.

James, William (1904c). A escola de Chicago. Boletim Psicológico, 1, 1-5.

Angell, James Rowland . (1907). A província da psicologia funcional. Revisão Psicológica, 14, 61-91.

Watson, John B. (1907). Estudando a mente dos animais. O mundo hoje, 12, 421-426. [Uma declaração rara, inicial e popular de funcionalismo pelo & quot fundador & quot do behaviorismo.]

Thorndike, Edward L. (1910). A contribuição da psicologia para a educação. Journal of Educational Psychology, 1, 5-12.

James, William . (1907). As energias dos homens. Ciência, N.S. 25 (No. 635), 321-332.

Mead, George H . (1913). O eu social. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 10, 374- 380.

Teoria Gestalt

Koffka, Kurt (1922). Percepção: Uma introdução ao Teoria da Gestalt. Boletim Psicológico, 19, 531-585.

Stumpf, Carl. (1930). Autobiografia de Carl Stumpf. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 389-441). Worcester, MA: Clark University Press. [O resumo do grande psicólogo alemão sobre o trabalho de sua vida.]

Wertheimer, Max . (1938). Leis de organização em formas perceptivas. Em W. Ellis, W (Ed. & Amp Trans.), Um livro de referência da psicologia da Gestalt (pp. 71-88). Londres: Routledge & amp Kegan Paul. (Trabalho original publicado em 1923 como Untersuchungen zur Lehre von der Gestalt II, em Psychologische Forschung, 4, 301-350.)

K hler, Wolfgang . (1959). Psicologia da Gestalt hoje. Psicólogo americano, 14, 727-734.

História da Psicologia

Hall, G. Stanley . (1879). Filosofia nos Estados Unidos. Mente, 4, 89-105.

Dewey, John . (1884). A nova psicologia. Crítica Andover, 2, 278-289.

Hall, G. Stanley . (1885). A nova psicologia. Crítica Andover, 3, 120-135, 239-248.

Cattell, James McKeen. (1888). O laboratório psicológico em Leipsic. Mente, 13, 37-51.

M nsterberg, Hugo . (1899). Psicologia e história. Revisão Psicológica, 6, 1-31.

Buchner, Edward Franklin . (1903). Um quarto de século de psicologia na América: 1878-1903. American Journal of Psychology, 14, 666-680.

Griffith, Coleman R. (1921). Alguns aspectos negligenciados de uma história da psicologia. Monografias psicológicas, 30, 17-29.

Titchener, E. B. (1921). Brentano e Wundt: Psicologia empírica e experimental. American Journal of Psychology, 32, 108-120.

Griffith, Coleman R. (1922). Contribuições para a história da psicologia - 1916-1921. Boletim Psicológico, 19, 411-428.

Chato, Edwin G. (1929). A psicologia da controvérsia. Revisão Psicológica, 36, 97-121.

Garvey, C. R. (1929). Lista de laboratórios de psicologia americanos. Boletim Psicológico, 26, 652-660.

Baldwin, James Mark . (1930). Autobiografia de James Mark Baldwin. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 1-30). Worcester, MA: Clark University Press.

Calkins, Mary Whiton . (1930). Autobiografia de Mary Whiton Calkins. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 31-62). Worcester, MA: Clark University Press.

Janet, Pierre . (1930). Autobiografia de Pierre Janet. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 123-133). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande psiquiatra francês do trabalho de sua vida.]

Morgan, C. Lloyd . (1930). Autobiografia de C. Lloyd Morgan. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 237-264). Worcester, MA: Clark University Press.

Terman, Lewis M . (1930). Autobiografia de Lewis M. Terman. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 297-331). Worcester, MA: Clark University Press.

Washburn, Margaret Floy . (1930). Autobiografia de Margaret Floy Washburn. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 333-358). Worcester, MA: Clark University Press.

Woodworth, Robert S. . (1930). Autobiografia de Robert S. Woodworth. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 359-380). Worcester, MA: Clark University Press.

Yerkes, Robert M. (1930). Autobiografia de Robert M. Yerkes. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 381-407). Worcester, MA: Clark University Press.

Jastrow, Joseph . (1935). A psicologia falhou? American Scholar, 4, 261-269.

Krstic, Kruno . (1964). Marko Marulic - O autor do termo & quotpsicologia & quot. Acta Instituti Psychologici Universitatis Zagrabiensis, não. 36, pp. 7-13. [Estudo raro da origem do termo & quotpsicologia & quot.]

Teste de Inteligência

Galton, Francis . (1865). Talento e caráter hereditários. Revista Macmillan, 12, 157-166, 318-327.

Galton, Francis . (1875). História de gêmeos. Faculdade humana e seu desenvolvimento (pp. 155-173).

Cattell, James McKeen . (1886a). O tempo gasto pelas operações cerebrais, Partes 1 e 2. Mente, 11, 220-242.

Cattell, James McKeen . (1886b). O tempo gasto pelas operações cerebrais, Parte 3. Mente, 11, 377-392.

Cattell, James McKeen . (1887). O tempo gasto pelas operações cerebrais, Parte 4. Mente, 11, 524-538.

Cattell, James McKeen . (1890). Testes e medições mentais. Mente, 15, 373-381.

Baldwin, James Mark, Cattell, James McKeen e Jastrow, Joseph . (1898). Testes físicos e mentais. Revisão Psicológica, 5, 172-179.

Spearman, Charles . (1904). “Inteligência geral,” objetivamente determinada e medida. American Journal of Psychology, 15, 201-293.

Binet, Alfred . (1905/1916). Novos métodos para o diagnóstico do nível intelectual de subnormais. Em E. S. Kite (Trans.), O desenvolvimento da inteligência em crianças. Vineland, NJ: Publicações da Escola de Treinamento em Vineland. (Originalmente publicado em 1905 em L'Ann e Psychologique, 12, 191-244.)

  • Introdução a Binet (1905/1916) de Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton

Hollingworth, Leta S. (1914). Variabilidade em relação às diferenças de sexo na realização: uma crítica. American Journal of Sociology, 19, 510-530.

Terman, Lewis M. (1916). O uso de testes de inteligência. A partir de A medição da inteligência (capítulo 1). Boston: Houghton Mifflin.

  • Introdução a Terman (1916) por Henry L. Minton.
  • Comentário sobre Binet (1905/1916) e Terman (1916) por Henry L. Minton.

Fullerton, Hugh S. (1921). Por que Babe Ruth é o maior rebatedor de home run. Popular Science Monthly, 99 (4), 19-21, 110.

Terman, Lewis M . (1930). Autobiografia de Lewis M. Terman. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 297-331). Worcester, MA: Clark University Press.

Thurstone, L. L. (1934). Os vetores da mente. Revisão Psicológica, 41, 1-32.

Neuropsicologia

Franz, Shepherd Ivory . (1912). Nova frenologia. Ciência, N.S. 35 (No. 896), 321-328.

Lashley, Karl S. (1930). Mecanismos neurais básicos no comportamento. Revisão Psicológica, 37, 1-24.

Hebb, Donald O. (1955). Drives e o C.N.S. (sistema nervoso conceitual). Revisão Psicológica, 62, 243-254.

Percepção

Peirce, Charles Sanders e Jastrow, Joseph (1884). Pequenas diferenças na sensação. Memórias da Academia Nacional de Ciências, 3, 73-83. Crítica probabilística de Peirce ao conceito de Fechner de limiar de discriminação. Possivelmente o primeiro estudo psicológico experimental americano publicado.]

De Varigny, M. Henry . (1894). Le laboratoire de psychologie exp rimentale de l'Universit de Madison. Revue Scientifique, vol. 1, tomo 1, 624-629.

Koffka, Kurt (1922). Percepção: Uma introdução ao Teoria da Gestalt. Boletim Psicológico, 19, 531-585.

Stumpf, Carl. (1930). Autobiografia de Carl Stumpf. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 389-441). Worcester, MA: Clark University Press. [O resumo do grande psicólogo alemão sobre o trabalho de sua vida.]

Wertheimer, Max . (1938). Leis de organização em formas perceptivas. Em W. Ellis, W (Ed. & Amp Trans.), Um livro de referência da psicologia da Gestalt (pp. 71-88). Londres: Routledge & amp Kegan Paul. (Trabalho original publicado em 1923 como Untersuchungen zur Lehre von der Gestalt II, em Psycologische Forschung, 4, 301-350.)

Bruner, Jerome S. & amp Goodman, Cecile C. (1947). Valor e necessidade como fatores organizadores da percepção. Journal of Abnormal and Social Psychology, 42, 33-44.

Bruner, Jerome S. & amp Postman, Leo . (1949). Sobre a percepção da incongruência: um paradigma. Jornal da Personalidade, 18, 206-223.

Personalidade

Calkins, Mary Whiton (1908a). A psicologia como ciência do self. I: O self é corpo Ou tem corpo? Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 1, 12-20.

Calkins, Mary Whiton (1908b). A psicologia como ciência do self. II: A natureza do self. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 3, 64-68.

Calkins, Mary Whiton (1908c). A psicologia como ciência do self. III: A Descrição da Consciência. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 5, 113-122.

Calkins, Mary Whiton . (1915). O self em psicologia científica. American Journal of Psychology, 26, 495-524.

Allport, Floyd H. & amp Allport, Gordon W. (1921). Traços de personalidade: sua classificação e medição. Journal of Abnormal and Social Psychology, 16, 6-40.

Allport, Gordon W. (1927). Conceitos de traço e personalidade. Boletim Psicológico, 24, 284-293.

Calkins, Mary Whiton . (1930). Autobiografia de Mary Whiton Calkins. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 31-62). Worcester, MA: Clark University Press.

Allport, Gordon W. (1937). A autonomia funcional dos motivos. American Journal of Psychology, 50, 141-156.

Clark, Kenneth B. & amp Clark, Mamie K. (1940). Cor da pele como fator de identificação racial de pré-escolares negros. Journal of Social Psychology, S.P.S.S.I. Boletim, 11, 159-169.

Maslow, Abraham H. (1943). Uma teoria da motivação humana. Revisão Psicológica, 50, 370-396.

Rogers, Carl R. . (1946). Aspectos significativos da terapia centrada no cliente. Psicólogo americano, 1, 415-422.

Rogers, Carl R. (1947). Algumas observações sobre a organização da personalidade. Psicólogo americano, 2, 358-368.

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685.

Psicanálise e psicoterapia

Freud, Sigmund . (1900). A interpretação dos sonhos (3ª ed.). (A. A. Brill, Trans.).

Witmer, Lightner . (1907). Psicologia Clínica. Clínica Psicológica, 1, 1-9.

Freud, Sigmund . (1910). A origem e o desenvolvimento da psicanálise. American Journal of Psychology, 21, 181-218.

Jung, Carl G. (1910). O método de associação. American Journal of Psychology, 31, 219-269.

Jung, Carl G. (1921/1923). Descrição geral dos tipos. Capítulo 10 de Tipos psicológicos (H. G. Bayes, Trans.). (Trabalho original publicado em 1921)

Janet, Pierre . (1930). Autobiografia de Pierre Janet. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 123-133). Worcester, MA: Clark University Press. [O próprio resumo do grande psiquiatra francês do trabalho de sua vida.]

Jastrow, Joseph . (1935). A psicologia falhou? American Scholar, 4, 261-269.

Rogers, Carl R. . (1946). Aspectos significativos da terapia centrada no cliente. Psicólogo americano, 1, 415-422.

Associação Americana de Psicologia . (1947). Programa de treinamento de pós-graduação recomendado em psicologia clínica. Psicólogo americano, 2, 539-558.

Rogers, Carl R. . (1947). Algumas observações sobre a organização da personalidade. Psicólogo americano, 2, 358-368.

Eysenck, Hans J. (1952). Os efeitos da psicoterapia: uma avaliação. Journal of Consulting Psychology, 16, 319-324.

Szasz, Thomas S. (1960). O mito da doença mental. Psicólogo americano, 15, 113-118.

Psicologia Social

Triplett, Norman. (1898). Os fatores dinamogênicos no marcapasso e na competição. American Journal of Psychology, 9, 507-533.

Mead, George H . (1913). O eu social. Jornal de filosofia, psicologia e métodos científicos, 10, 374- 380.

Hollingworth, Leta S. (1914). Variabilidade em relação às diferenças de sexo na realização: uma crítica. American Journal of Sociology, 19, 510-530.

Hollingworth, Leta S. (1916). Dispositivos sociais para impulsionar as mulheres a ter e criar filhos. American Journal of Sociology, 22, 19-29.

Clark, Kenneth B. & amp Clark, Mamie K. (1940). Cor da pele como fator de identifcação racial de pré-escolares negros. Journal of Social Psychology, S.P.S.S.I. Boletim, 11, 159-169.

Miller, N., Sears, R.R., Rosenzweig, S., Bateson, G., Levy, D.M., Hartmann, G.W., & amp Maslow, A.H. (1941). Simpósio sobre a hipótese de frustração-agressão. Revisão Psicológica, 48, 337-366.

Heider, Fritz . (1946). Atitudes e organização cognitiva. Journal of Psychology, 21, 107-112.

Bruner, Jerome S. & amp Goodman, Cecile C. (1947). Valor e necessidade como fatores organizadores da percepção. Journal of Abnormal and Social Psychology, 42, 33-44.

Sherif, Muzafer, Harvey, O. J., White, B. Jack, Hood, William R., & amp Sherif, Carolyn W. (1954/1961). Conflito e cooperação entre grupos: o experimento da Caverna dos Ladrões.

Harlow, Harry F. (1958). A natureza do amor. Psicólogo americano, 13, 573-685.

Festinger, Leon & amp Carlsmith, James M. (1959). Consequências cognitivas da conformidade forçada. Journal of Abnormal and Social Psychology, 58, 203-210.

Bandura, Albert, Ross, Dorothea e Ross, Sheila A. (1961). Transmissão de agressões por meio da imitação de modelos agressivos. Journal of Abnormal and Social Psychology, 63, 575-582.

Estatística e metodologia de amp

Thurstone, L. L. (1934). Os vetores da mente. Revisão Psicológica, 41, 1-32.

Allport, Gordon W. (1940). O quadro de referência do psicólogo. Boletim Psicológico, 37, 1-28. [Discurso presidencial da APA de Allport.]

MacCorquodale, Kenneth & amp Meehl, Paul E. (1948). Em uma distinção entre construtos hipotéticos e variáveis ​​intervenientes. Revisão Psicológica, 55, 95-107.

Cronbach, Lee J. e Meehl, Paul E. (1955). Validade da construção em testes psicológicos. Boletim Psicológico, 52, 281-302.

Cronbach, Lee J. (1957). As duas disciplinas de psicologia científica. Psicólogo americano, 12, 671-684.

Rozeboom, William W. (1960). A falácia do teste de significância da hipótese nula. Boletim Psicológico, 57, 416-428.

Universidade de Toronto

Baldwin, James Mark. (1891). Para o editor. American Journal of Psychology, 3, 593.

Baldwin, James Mark (1892). O laboratório psicológico da Universidade de Toronto. Ciência, 19 (no. 475), 143-144.

Hume, James Gibson . (1892). Psicologia fisiológica. Ata da Vigésima Primeira Convenção Anual da Associação de Professores de Ontário, pp. 86-106.

Hume, James Gibson . (1895). Psicologia na Universidade de Toronto. Revisão Psicológica, 2, 172. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1894 da American Psychological Association.]

Hume, James Gibson . (1897). O valor prático da psicologia para o professor. Toronto: George N. Morang. (Originalmente entregue perante a Ontario Teachers 'Association, Toronto, 1897.)

Hume, James Gibson . (1898). Contribuições da psicologia para a moralidade e religião. Revisão Psicológica, 5, 162-163. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1897 da American Psychological Association.]

Abbott, Albert H. (1900). Psicologia experimental e o laboratório em Toronto. University of Toronto Monthly, 1, 85-98, 106-112.

Hume, James Gibson . (1909). A afiliação adequada da psicologia: com a filosofia ou as ciências naturais. Boletim Psicológico, 6, 65-67. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1908 da Southern Society for Philosophy and Psychology.]

Hume, James Gibson . (1909). A importância do pragmatismo para a história da filosofia. Revisão Filosófica, 18, 176-177. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1908 da American Philosophical Association.]

Hume, James Gibson . (1910). O significado do suicídio. Revisão Filosófica, 19, 179-180. [Resumo do artigo apresentado na reunião de 1910 da American Philosophical Association.]

Hume, James Gibson . (1916). A verdade científica e o espírito científico. University of Toronto Monthly, 16, 443-445.

Brett, George S. (1922). Psicologia na universidade. Univeristy of Toronto Monthly, , 298-300.

Hume, James Gibson . (1922). Evolução e personalidade. No Ensaios filosóficos apresentados a John Watson (pp. 298-330). Kingston, ON: Queen's University.

Brett, George S. (1929). Introdução à Psicologia. Toronto: Macmillan do Canadá.

Baldwin, James Mark . (1930). Autobiografia de James Mark Baldwin. Em Murchison, Carl. (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 1-30). Worcester, MA: Clark University Press.

Mulheres e psicologia

Jastrow, Joseph. . (1891). Um estudo em estatísticas mentais. Nova resenha, 5, 559-568.

Nevers, Cordelia C. & amp Calkins, Mary W. (1895). Dr. Jastrow sobre comunidade de idéias de homens e mulheres. Revisão Psicológica, 2, 363-367.

Jastrow, Joseph . (1896). Comunidade de ideias de homens e mulheres. Revisão Psicológica, 3, 68-71.

Calkins, Mary Whiton . (1896a). Associação: Um ensaio analítico e experimental. Suplemento de monografias de revisão psicológica, 1 (2).

Calkins, Mary Whiton. (1896b). Comunidade de ideias de homens e mulheres. Revisão Psicológica, 3, 426-430.

Hall, G. Stanley . (1904). Meninas adolescentes e sua educação. A partir de Adolescência: sua psicologia e suas relações com a fisiologia, antropologia, sociologia, sexo, crime, religião e educação (Vol. 2, Capítulo 17).

Ladd Franklin, Christine . (1904). Professores dotados para mulheres. Publicações da Association of Collegiate Alumnae, Series III, No. 9, pp. 53-61.

Calkins, Mary Whiton (1908a). A psicologia como ciência do self. I: O self é corpo Ou tem corpo? Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 1, 12-20.

Calkins, Mary Whiton (1908b). A psicologia como ciência do self. II: A natureza do self. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 3, 64-68.

Calkins, Mary Whiton (1908c). A psicologia como ciência do self. III: A Descrição da Consciência. Revista de Filosofia, Psicologia e Métodos Científicos, 5, 113-122.

Ladd Franklin, Christine . (1908). Relatório da comissão sobre a dotação de bolsas de estudo. De & quotProcedimentos & quot no Publicações da Association of Collegiate Alumnae, Series III, No. 17, pp. 143-146. Woolley, Helen Thompson. (1910). Uma revisão da literatura recente sobre a psicologia do sexo. Boletim Psicológico, 7, 335-342.

Hollingworth, Leta S. (1914b). Variabilidade em relação às diferenças de sexo na realização: uma crítica. American Journal of Sociology, 19, 510-530.

Calkins, Mary Whiton . (1915). O self em psicologia científica. American Journal of Psychology, 26, 495-524.

Hollingworth, Leta S. (1916). Dispositivos sociais para impulsionar as mulheres a ter e criar filhos. American Journal of Sociology, 22, 19-29.

Hollingworth, Leta S. (1922). Ação diferencial sobre os sexos de forças que tendem a segregar os fracos de espírito. Journal of Abnormal Psychology & amp Social Psychology, 17, 35-57.

Howes, Ethel Puffer . (1922). Aceitando o universo. Atlantic Monthly, 129, 444-453.

Washburn, Margaret Floy . (1922). A introspecção como método objetivo. Revisão Psicológica, 29, 89-112.

Jones, Mary Cover . (1924). Um estudo de laboratório do medo: o caso de Peter. Seminário Pedagógico, 31, 308-315.

Calkins, Mary Whiton . (1930). Autobiografia de Mary Whiton Calkins. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 31-62). Worcester, MA: Clark University Press.

Washburn, Margaret Floy . (1930). Autobiografia de Margaret Floy Washburn. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 2, pp. 333-358). Worcester, MA: Clark University Press.

Chato, Edwin G. (1951). O problema da mulher. Psicólogo americano, 6, 679-682.

Wundt e estruturalismo

Wundt, Wilhelm Max . (1874/1902/1904). Princípios da psicologia fisiológica (Edward Bradford Titchener, Trans.) (Da 5ª edição alemã, publicado em 1902 1ª edição alemã publicada em 1874) [Texto clássico do fundador do primeiro laboratório de pesquisa psicológica.]

Cattell, James McKeen. (1888). O laboratório psicológico em Leipsic. Mente, 13, 37-51.

Lange, Ludwig. (1888/2009). Novos experimentos sobre o processo de simples reação às impressões sensoriais. (Tradução de David D. Lee de Neue Experimente ber den Vorgang der einfachen Reaction auf Sinneseindr cke.) Philosophische Studien, 4, 479-510. (em .pdf). [O artigo do futuro assistente de Wundt que afirmava tipos distintos de reação & quotensorial & quot e & quotmuscular & quot, iniciando assim um debate (Cattell, Baldwin, Titchener, Angell) que levou à escola do Funcionalismo.]

Hill, A. B. & amp Watanabe, R. (1894). Reações "sensoriais" e "musculares". American Journal of Psychology, 6, 242-246. [Supervisionado por E. B. Titchener, em apoio às descobertas de L. Lange.]

Titchener, Edward B. (1895a). Reações simples. Mente, 4, 74-81.

Titchener, Edward B. (1895b). A teoria dos tipos de reação simples. Mente, 4, 506-514.

Titchener, Edward B. (1896). A 'teoria dos tipos' da reação simples. Mente, 5, 236-241.

Wundt, Wilhelm Max . (1896/1897). Contornos de psicologia (Charles Hubbard Judd, trad.).

Caldwell, W. (1898). A visão do professor Titchener sobre o self. Revisão Psicológica , 5, 401-408.

Titchener, Edward B. (1898a). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Filosófica, 7, 449-465.

Caldwell, W. (1899). Os postulados de uma psicologia estrutural. Revisão Psicológica, 6, 187-191.

Titchener, Edward B. (1899). Psicologia estrutural e funcional. Revisão Filosófica, 8, 290-299.

Dunlap, Knight . (1912). O caso contra a introspecção. Revisão Psicológica, 19, 404-413.

Titchener, Edward B. (1912). O esquema de introspecção. American Journal of Psychology, 23, 485-508.

Titchener, Edward B. (1914). Na & quot Psicologia como o behaviorista a vê & quot. Proceedings of the American Philosophical Society, 53, 1-17.

Titchener, E. B. (1921). Brentano e Wundt: Psicologia empírica e experimental. American Journal of Psychology, 32, 108-120.

Washburn, Margaret Floy . (1922). A introspecção como método objetivo. Revisão Psicológica, 29, 89-112.

Marbe, Karl . (1930). Autobiografia de Karl Marbe. Em C. Murchison (Ed.), História da psicologia na autobiografia (Vol. 1, pp. 181-213). Worcester, MA: Clark University Press.


Pesquisa de opinião

Neste mundo diverso, a pesquisa de opinião se oferece como uma ferramenta inestimável para psicólogos sociais para estudar as diferenças individuais e de grupo nos sentimentos, atitudes ou comportamentos das pessoas. Por exemplo, o World Values ​​Survey II foi baseado em grandes amostras representativas de 19 países e permitiu aos pesquisadores determinar que a relação entre renda e bem-estar subjetivo era mais forte nos países mais pobres (Diener & amp Oishi, 2000). Em outras palavras, um aumento na renda tem um impacto muito maior em sua satisfação com a vida se você mora na Nigéria do que se você mora no Canadá. Em outro exemplo, uma pesquisa nacionalmente representativa na Alemanha com 16.000 entrevistados revelou que manter crenças cínicas está relacionado a uma renda mais baixa (por exemplo, entre 2003-2012 a renda dos indivíduos menos cínicos aumentou US $ 300 por mês, enquanto a renda da maioria indivíduos cínicos não aumentaram de todo). Além disso, os dados da pesquisa coletados em 41 países revelaram que essa correlação negativa entre cinismo e renda é especialmente forte em países onde as pessoas em geral se envolvem em um comportamento mais altruísta e tendem a não ser muito cínicas (Stavrova & amp Ehlebracht, 2016).

Obviamente, obter amostras grandes, interculturais e representativas tornou-se muito mais fácil desde o advento da Internet e a proliferação de plataformas de pesquisa baseadas na web - como Qualtrics - e plataformas de recrutamento de participantes - como Amazon’s Mechanical Turk. E embora alguns pesquisadores tenham dúvidas sobre a representatividade das amostras online, estudos têm mostrado que as amostras da Internet são de muitas maneiras mais diversas e representativas do que as amostras recrutadas de pools de sujeitos humanos (por exemplo, com relação ao gênero Gosling et al., 2004). As amostras online também se comparam favoravelmente com as amostras tradicionais em atenção ao completar a pesquisa, confiabilidade dos dados e proporção de não respondentes (Paolacci et al., 2010).


Artigo de ANÁLISE CONCEPTUAL

O objetivo da psicologia é compreender a mente e o comportamento humanos. Na psicologia contemporânea, o método de escolha para realizar esse empreendimento incrivelmente complexo é o experimento. Esse domínio moldou toda a disciplina desde o autoconceito como ciência empírica e seus próprios fundamentos epistemológicos e teóricos, passando pela prática da pesquisa e do discurso científico ao ensino. A psicologia experimental está alicerçada no método científico e no positivismo, e esses princípios, que são característicos do pensamento moderno, ainda são mantidos. Apesar dessa adesão aparentemente vigorosa aos princípios modernos, a psicologia experimental exibe uma série de aspectos que podem ser descritos como facetas do pensamento pós-moderno, embora dificilmente sejam reconhecidos como tal. Muitos psicólogos se orgulham de ser & # x201Cientistas naturais reais & # x201D porque conduzem experimentos, mas é particularmente difícil para os psicólogos se esquivar de certos elementos do pensamento pós-moderno em vista da natureza específica de seu objeto de estudo. O pós-modernismo como filosofia surgiu no século 20 como uma resposta à inadequação percebida da abordagem moderna e como um meio de compreender as complexidades, ambigüidades e contradições da época. Portanto, o pós-modernismo oferece valiosos insights sobre a própria natureza da psicologia experimental e ideias frutíferas sobre como melhorar a prática experimental para refletir melhor as complexidades e ambigüidades da mente e do comportamento humanos. A análise da psicologia experimental ao longo de linhas pós-modernas começa discutindo as implicações da transferência do método científico de campos com fenômenos bastante estreitamente definidos & # x2014 as ciências naturais & # x2014 para uma classe muito mais ampla e heterogênea de fenômenos complexos, ou seja, a mente e o comportamento humanos. Esta abordagem experimental aparentemente moderna é, no entanto, per se repleto de elementos pós-modernos: (re) criar fenômenos em um ambiente experimental, incluindo os processos hermenêuticos de geração de hipóteses e interpretação de resultados, não é uma cópia carbono de & # x201Creality & # x201D, mas sim uma construção ativa que reflete irrevogavelmente as idéias pré-existentes do investigador. Esses aspectos, analisados ​​por meio de conceitos pós-modernos como hiperrealidade e simulacros, não se infiltraram gradualmente, mas estão presentes desde o início da psicologia experimental e são necessariamente inerentes à sua filosofia da ciência. Ilustramos esta análise teórica com a ajuda de dois exemplos, nomeadamente experiências de livre arbítrio e memória visual de trabalho. A perspectiva pós-moderna revela algumas armadilhas na prática da psicologia experimental. Além disso, sugerimos que aceitar a natureza inerentemente confusa dos construtos teóricos em psicologia e pensar mais ao longo de linhas pós-modernas na verdade esclareceria muitos problemas teóricos em psicologia experimental.


Psicologia

-Psicologia biológica e neurociências.
-Diagnósticos DSM e condições psicopatológicas.
-Métodos de tratamento psicológico e psicofarmacológico.
-Testes psicológicos, escalas e métodos de avaliação.
-Processos de desenvolvimento.
-Métodos de pesquisa e procedimentos estatísticos.
-Sociedades e organizações psicológicas.
-Psicologia de todo o mundo.
- Entradas biográficas em mais de 600 psicólogos influentes.

Principalmente texto completo de 3-5 anos ou mais. Estudos afro-americanos, antropologia, botânica, negócios, ecologia, economia, educação, ciências gerais, geografia, história, linguagem e literatura, matemática, filosofia, ciência política, sociologia, estatística.

As datas de cobertura variam de acordo com o título do periódico. Todos remontam à primeira edição publicada, mas a maioria tem um embargo de "parede móvel" que exclui edições dos últimos X anos (onde X pode estar em qualquer lugar de 0 a 10 anos, dependendo do periódico em particular a maioria está no Intervalo de embargo de 3 a 5 anos).

Dica: Use documentos para encontrar palavras-chave e conceitos úteis e recupere o conteúdo JSTOR correspondente, por meio do JSTOR Text Analyzer

O Linguistics & Language Behavior Abstracts (LLBA) resume e indexa a literatura internacional em lingüística e disciplinas relacionadas nas ciências da linguagem. O banco de dados cobre todos os aspectos do estudo da linguagem, incluindo fonética, fonologia, morfologia, sintaxe e semântica. Uma cobertura completa é dada a vários campos da linguística, incluindo linguística descritiva, histórica, comparativa, teórica e geográfica. O banco de dados fornece resumos de artigos de periódicos e citações a resenhas de livros extraídas de mais de 1.500 publicações em série, e também fornece resumos de livros, capítulos de livros e dissertações.

O arquivo digital oficial de dissertações da Biblioteca do Congresso e como banco de dados de registro para pesquisas de pós-graduação. PQDTGlobal inclui milhões de citações pesquisáveis ​​de dissertações e teses de 1861 até os dias atuais, juntamente com mais de um milhão de dissertações em texto completo que estão disponíveis para download em formato PDF. Mais de 2,1 milhões de títulos estão disponíveis para compra como cópias impressas. O banco de dados oferece texto completo para a maioria das dissertações adicionadas desde 1997 e uma forte cobertura retrospectiva de texto completo para trabalhos de pós-graduação mais antigos. Também inclui conteúdo PQDT do Reino Unido e Irlanda.

Mais de 70.000 novas dissertações e teses de texto completo são adicionadas ao banco de dados a cada ano por meio de parcerias de publicação de dissertações com 700 instituições acadêmicas líderes em todo o mundo e digitalização retrospectiva colaborativa de dissertações. As dissertações em texto completo são arquivadas conforme apresentadas pela instituição que concede o grau. Alguns serão PDF nativos, alguns imagem em PDF.

Cada dissertação publicada desde julho de 1980 inclui um resumo de 350 palavras escrito pelo autor. As teses de mestrado publicadas desde 1988 incluem resumos de 150 palavras. Citações bibliográficas simples estão disponíveis para dissertações que datam de 1637. Quando disponível, PQDTGlobal fornece visualizações de dissertações e teses de 24 páginas.

Cobertura do assunto
• Negócios e Economia
• Ciências Médicas
• Ciência
• Tecnologia
• Agricultura
• Ciências Sociais
• Artes
• Humanidades

Nota: O texto completo de certas publicações está sujeito à disponibilidade no mercado.


  • Por que escolher isso? ProQuest Research é um recurso abrangente com uma mistura diversificada de periódicos acadêmicos, publicações comerciais, revistas e jornais, e é projetado para cobrir extensivamente as 150 principais áreas acadêmicas.
  • Público-alvo: Todos os níveis, de acadêmicos iniciantes a pesquisadores avançados.
  • O que cobre: Mais de 5.000 revistas e periódicos, desde 1971 até o presente (indexação), desde 1987 até o presente (texto completo), a cobertura varia de acordo com o título. Todos os assuntos.

PsycCRITIQUES, um banco de dados da American Psychological Association, terminou a publicação no outono de 2017.

Este banco de dados cobre resenhas de livros e filmes para materiais publicados relacionados à psicologia. O conteúdo foi publicado anteriormente na revista APA, Contemporary Psychology.

Abrange todo o conteúdo da Psicologia Contemporânea, volume 1, número 1 (1956) até 2017


  • Concentra-se principalmente em testes não publicados, aqueles desenvolvidos por pesquisadores, mas não disponibilizados comercialmente
  • A maioria dos registros tem links para uma variedade de materiais que descrevem o teste na literatura revisada por pares, relatórios técnicos ou dissertações, bem como links para literatura revisada por pares relacionada que descreve o desenvolvimento, revisão ou uso do teste
  • Todos os registros incluem um resumo que descreve o teste, com sua finalidade e algum histórico de seu desenvolvimento
  • A maioria dos registros inclui o instrumento de teste real
  • Abrange 1910 até o presente. 51% das entradas são de 2000 e depois 73% são de 1990 e depois.
  • Este banco de dados também pode ser pesquisado junto com PsycARTICLES e PsycINFO.
  • Mais informações da APA

O PubMed indexa mais de 4.000 periódicos biomédicos, de enfermagem, odontologia e relacionados, com mais de 21 milhões de citações no MEDLINE, PreMEDLINE e bancos de dados relacionados. O PubMed é produzido pelo National Center for Biotechnology Information (NCBI) e fornece links entre citações de artigos e dados relevantes em outros bancos de dados do NCBI ENTREZ, incluindo sequências de nucleotídeos e proteínas, estruturas de proteínas, genomas completos, taxonomia e outros.

Inclui literatura de jornal, livros online selecionados em 1950. Esta versão usa a ferramenta externa para vincular a recursos no U-M Flint.

CoCites, "um método baseado em citações para pesquisar literatura científica", é um plug-in de navegador compatível com o Chrome e Firefox que pode ser usado com o PubMed.

Sage Research Methods inclui mais de 2.000 livros, livros de referência, artigos de jornais, vídeos, conjuntos de dados e casos sobre todos os aspectos da metodologia de pesquisa em ciências sociais. Navegue no mapa de métodos ou na lista de métodos para identificar um método de ciências sociais para prosseguir. Inclui uma ferramenta de planejamento de projeto e uma ferramenta para identificar o melhor método estatístico para seu projeto. Inclui a notável série do "pequeno livro verde" (Aplicações quantitativas nas ciências sociais) e a série do "pequeno livro azul" (Métodos de pesquisa qualitativa).

Inclui estes módulos:
• Módulo principal
• Conjuntos de dados Partes 1 e 2
• Vídeo: Ciência de Dados, Análise de Big Data e Métodos Digitais
• Vídeo: Pesquisa Prática e Habilidades Acadêmicas
• Casos Parte 2, Casos de Saúde e Medicina
• Obras de referência das fundações


  • Por que escolher isso? ScienceDirect tem milhares de livros e periódicos online, principalmente nas áreas de ciências físicas e biológicas, tecnologia e medicina.
  • Público-alvo: Pesquisadores em ciências, tecnologia, negócios e ciências sociais.
  • O que cobre: Mais de 2.000 periódicos, mais de 35.000 livros, a maioria 1996 - presente.
  • Quanto está na convocação: >90%

Inclui mais de 2.000 periódicos e 35.000 livros publicados pela Elsevier Science e suas editoras subsidiárias, incluindo Academic Press, Cell Press, Pergamon, Mosby e periódicos Saunders. A cobertura é particularmente forte para as ciências físicas e da vida, medicina e campos técnicos, mas também inclui algumas ciências sociais e humanas.

Inclui química, engenharia química, medicina clínica, ciência da computação, ciências terrestres e planetárias, economia, engenharia, energia e tecnologia, ciência e tecnologia ambiental, ciências biológicas, ciência dos materiais, matemática, física, astronomia.

Inclui o texto completo de artigos de mais de 200 periódicos desde 1995. Seus registros descrevem artigos importantes, esboços biográficos, entrevistas, obituários, respostas acadêmicas e resenhas de livros com mais de meia página de resenhas de documentos governamentais e cartas ao editor não estão incluídos. As áreas cobertas incluem:
• Estudos de Dependência
• Antropologia
• Estudo sobre as areas
• Saúde Comunitária e Assistência Médica
• Comunicações
• Correções
• Justiça Criminal
• Criminologia
• Economia
• Estudos ambientais
• Ética
• Estudos da Família
• Estudos de género
• geografia
• Gerontologia
• Relações Internacionais
• Lei
• Meios de comunicação de massa
• Estudos Minoritários
• Planejamento e Administração Pública
• Ciências Políticas
• Ciência Política
• Psiquiatria
• Psicologia
• Bem-estar público
• Trabalho social
• Sociologia
• Estudos Urbanos

Cobre 1983-presente (Indexação) 1984-presente (Resumos) 1995-presente (Texto completo selecionado).

Permite a busca de artigos que citam um autor ou obra conhecida, bem como a busca por assunto, autor, periódico e endereço do autor. Abrange mais de 12.000 periódicos.
• Navegue com a pesquisa de referências citadas e o Localizador de autoria.
• Crie uma representação visual das relações de citações com o Mapeamento de citações.
• Capture a atividade de citações e tendências graficamente com o Relatório de citações.
• Use a ferramenta de análise para identificar tendências e padrões.

Inclui:
• Arts & Humanities Citation Index (1975 até o presente)
• Book Citation Index - Science (2005-presente)
• Índice de citações de livros - Ciências Sociais e Humanas (2005 até o presente)
• Conference Proceedings Citation Index- Science (1990-presente)
• Conference Proceedings Citation Index - Social Science & Humanities (1990 até o presente)
• Índice de citação científica expandido (1900 até o presente)
• Índice de Citação de Ciências Sociais (1900 até o presente)


Recursos do instrutor

Banco de teste de acesso

Você precisa se inscrever como um instrutor verificado para acessar o banco de testes.

Banco de teste para psicologia social (apenas online)

Baixar recursos

Você precisa entrar para desbloquear seus recursos.

Perguntas do Clicker (acessível)

Slides de imagens e tabelas (acessível)

Manual de recursos do instrutor para psicologia social (apenas online)

Slides de palestras para psicologia social (apenas online)

Clique no botão Link de download por e-mail e enviaremos um e-mail para com links para baixar os recursos do instrutor. Observe que pode haver um atraso na entrega do seu e-mail dependendo do tamanho dos arquivos.

Aviso! Esses materiais são propriedade da Macmillan Learning ou de seus licenciados e são protegidos pelas leis de direitos autorais dos Estados Unidos e de outras jurisdições. Esses materiais podem incluir uma marca d'água digital vinculada ao seu nome e endereço de e-mail em sua conta da Macmillan Learning para identificar a origem de quaisquer materiais usados ​​de forma não autorizada e evitar a pirataria online. Esses materiais são fornecidos exclusivamente para uso instrucional por instrutores que adotaram os livros didáticos ou produtos on-line que os acompanham da Macmillan Learning para uso dos alunos em seus cursos. Esses materiais não podem ser copiados, distribuídos, vendidos, compartilhados, postados online ou usados, em formato impresso ou eletrônico, exceto nas circunstâncias limitadas estabelecidas nos Termos de Uso de Aprendizagem da Macmillan e qualquer outra reprodução ou distribuição é ilegal. Esses materiais não podem ser disponibilizados publicamente em nenhuma circunstância. Todos os outros direitos reservados. Para obter mais informações sobre o uso de seus dados pessoais, inclusive para fins de aplicação antipirataria, consulte o Aviso de Privacidade da Macmillan Learning.

Obrigado!

Sua solicitação de download foi recebida e seu link de download será enviado para.

Observe que você pode esperar até 30 a 60 minutos para receber seu e-mail de download dependendo da quantidade e tamanho dos arquivos. Agradecemos sua paciência enquanto processamos sua solicitação.

Verifique sua caixa de entrada, lixo e pastas de spam para um e-mail de [email protected].

Se você não receber seu e-mail, visite macmillanlearning.com/support.

Olhe dentro

Psicologia Social

Jeff Greenberg Toni Schmader Jamie Arndt Mark Landau


    . por Gary Bradshaw na Mississippi State University. Este site é um site educacional que ensina aos visitantes conceitos psicológicos, por meio de animações interativas, vídeos, experimentos e demonstrações.
  • Centro Nacional de Ensino de Estudo de Caso em Ciências
  • Laboratório de Psicologia Online. Hospedado pela APA e patrocinado pela APA, NSF e National Science Digital Library (NSDL). Um banco de dados de apresentações em PowerPoint que descrevem pesquisas clássicas e recentes em psicologia, úteis para o ensino médio e de graduação. . Ken McGraw, Mark D. Tew e John E. Williams, University of Mississippi. Uma bela coleção de experimentos psicológicos, tanto para laboratórios quanto para estudos reais, que seus alunos podem realizar. É possível registrar sua turma para que você possa segregar seus dados para sua turma para download em arquivo Excel. . Uma bela coleção de demonstrações interativas de muitos conceitos básicos. por John C. Hay

Conceitos Básicos de Aprendizagem de John C. Hay


Assista o vídeo: Condicionamento Pavloviano - Experimentos na Psicologia (Agosto 2022).